Questões fonoaudiológicas e odontológicas na percepção de idosos que acessam serviços do Sistema Único de Saúde

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Saúde do Idoso, Fonoaudiologia, Sistema Único de Saúde, Odontogeriatria

Resumo

Modelo de estudo: Estudo observacional e transversal com dados coletados a partir de questionários aplicados aos idosos em visitas domiciliares, sobre acesso a serviços de saúde. Objetivo: Analisar a percepção de idosos independentes sobre questões fonoaudiológicas e odontológicas nos serviços de Atenção Primária à Saúde do Sistema Único de Saúde. Métodos: Foram analisadas frequências absolutas das variáveis de estudo relacionadas a questões fonoaudiológicas e odontológicas através do teste do Qui-quadrado e Teste Exato-de-Fisher, ambos com nível de 0,05% de significância. Resultados: Os idosos entrevistados foram predominantemente mulheres (76,5%), cor branca (73,5%), com no mínimo ensino médio de escolaridade (64,7%). Destes idosos, 92,6% afirmaram não possuir dificuldades para se alimentar, apesar de 51,5% nunca ter feito uma avaliação fonoaudiológica. Houve maior proporção indicando que os idosos não necessitaram de consulta com fonoaudióloga (73,5%). Quanto à utilização de serviços da atenção primária, 68,7% utilizavam o sistema público e desses, 94,1% autoperceberam sua condição de saúde bucal como regular/ruim. Conclusão: Sugere-se o fortalecimento do cuidado dos idosos de forma interdisciplinar e integral, a fim de abranger as necessidades e especificidades dessa população. A baixa percepção da importância do cuidado sugere a necessidade do fortalecimento dos serviços de fonoaudiologia para a saúde da população idosa brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística – IBGE. Sinopse do Censo Demográfico de 2010. Rio de Janeiro, 2011.

Miranda GMD, et al. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 2016, 19(3):507-519.

Coelho LP, Motta LBD, Caldas CP. Rede de atenção ao idoso: fatores facilitadores e barreiras para implementação. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 2019, 28(1): e280404.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei 8080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso em 07 out 2019.

Narvai PC. Saúde bucal coletiva: caminhos da odontologia sanitária à bucalidade. Rev. Saúde Pública, 2006, 40(1):141-147.

Narvai PC, Frazão P. Saúde bucal no Brasil: muito além do céu da boca. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.

Carniel CZ, et al. Implications of using the Hearing Aids on quality of life of elderly. Revista CoDAS, 2017,29(5). http://dx.doi.org/10.1590/2317-1782/20172016241

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no. 2.528/2006. Aprova a Política Nacional da Pessoa Idosa. Diário Oficial República Federativa do Brasil. 2006;237(20):4

Santiago LM, et al. Caracterização da saúde de idosos numa perspectiva fonoaudiológica. Rev. CEFAC, 2016,8(5):1088-1096.

Baumgarten A, Peron TB, Bastos JL, Toassi RFC, Hilgert JB, Hugo FN, Celeste RK. Experiências de discriminação relacionadas aos serviços de saúde: análise exploratória em duas capitais do Sul do Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2015,24:353-362. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000300002.

Moreira RS, et al. A saúde bucal do idoso brasileiro: revisão sistemática sobre o quadro epidemiológico e acesso aos serviços de saúde bucal. Cad. Saúde Pública, 2005,21(6):1665-1675.

Souza A, Oda AL. A importância do levantamento de queixas de idosos institucionalizados durante a entrevista para o planejamento da reabilitação fonoaudiológica. O mundo da saúde, 2008;32(2):157-69.

Rodrigues LKV, Pernambuco L. Produção científica sobre disfagia orofaríngea em idosos nos periódicos brasileiros: uma análise bibliométrica. Distúrbios da Comunicação, 2017,29(3):529-538. https://doi.org/10.23925/2176-2724.2017v29i3p529-538

Harzheim E, et al. Consistência interna e confiabilidade da versão em português do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária (PCATool-Brasil) para serviços de saúde infantil. Cad Saúde Pública, 2006,22(8):1649-1659.

Bulgarelli PT, et al. A perspectiva do usuário sobre o acesso aos serviços da atenção primária à saúde. Tempus Actas de Saúde Coletiva. 2018,11(3):216-231.

Moraes EM, et al. Índice de Vulnerabilidade Clínico Funcional-20 (IVCF-20): reconhecimento rápido do idoso frágil. Rev. Saúde Pública, 2016,50(81). http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006963

Milagres CS, et al. Self-perceived oral health status, chewing ability and longevity in the elderly. Ciencia & saude coletiva, 2018,23(5):1495-1506. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018235.14572016.

Martins AB. Atenção Primária a Saúde voltada as necessidades dos idosos: da teoria à prática. Ciência & Saúde Coletiva, 2014,19:3403-3416.

Nunes CSR, et al. Acesso aos serviços de saúde bucal de adultos e idosos. Estação Científica (UNIFAP), 2017,7(3):09-18. http://dx.doi.org/10.18468/estcien.2017v7n3.p09-18

Rech RS, et al. Deglutição no envelhecimento e a odontologia. Revista da Faculdade de Odontologia-UPF, 2018, 23(1):77-83.

Quek HC, Lee YS. Dentistry considerations for the dysphagic patient: Recognition of condition and management. Proceedings of Singapore Healthcare, 2010105819868252. 2019

Peduzzi M, et al. Trabalho em equipe na perspectiva da gerência de serviços de saúde: instrumentos para a construção da prática interprofissional. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 2011,21:629-646.

Farpour S, Farpour H, Zakeri M. Oropharyngeal Dysphagia in Elderly People. Journal of Rehabilitation Sciences & Research, 2018,5(4):120-123. 10.2147/CIA.S97481

Oliveira BS, Delgado SE, Brescovici SM. Alterações das funções de mastigação e deglutição no processo de alimentação de idosos institucionalizados. Revista brasileira de geriatria e Gerontologia, 2014,17(3):575-587.

Soares EB, et al. Hábitos vocais em dois grupos de idosos. Rev CEFAC. 2007,9(2):221-227.

Marcolino J. Achados fonoaudiológicos na deglutição de idosos do município de Irati - Paraná. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 2009, 12:193-200.

Garcia MAA. Idosos em cena: falas do adoecer. Interface, 2005, 9(51):537-52.

Moreira GMM, Pereira SRM. Desempenho de idosos brasileiros no teste de deglutição de 100 ml de água. Rev Soc Bras Fonoaudiol, 2012, 17(1):9-14.

Relly CD, et al. Atuação fonoaudiológica no sistema público de saúde–revisão de literatura. Journal of health (FJH), 2019,1(1):212-231.

Teixeira TS, Costa-Ferreira MID. Computer-based auditory training for elderly with hearing aids provided by the Health Care System. Audiology-Communication Research, 2018, 23:e1786. http://dx.doi.org/10.1590/2317-6431-2016-1786

Picinini TDA, et al. Restriction in social participation and satisfaction with hearing aids-a study on post-fitting. Audiology-Communication Research, 2017,22(1). http://dx.doi.org/10.1590/2317-6431-2016-1830

Correia RO, et al. Reabilitação auditiva por aparelhos de amplificação sonora individual (AASI): perfil epidemiológico de pacientes adaptados em um hospital terciário em 5 anos. Revista de Medicina da UFC. 2017,57(2):26-30.

Lima LHMA, et al. Autopercepção oral e seleção de alimentos por idosos usuários de próteses totais. Rev Odontol UNESP, 2007, 36(2):131-6.

Nunes CI, Abegg C. Factors associated with oral health perception in older Brazilians. Gerodontology, 2008, 25(1):42-8.

Publicado
2020-08-07
Como Citar
1.
Farias E de F, Bulgarelli PT, Rech RS, Marques LX, Santos CM, Bulgarelli AF. Questões fonoaudiológicas e odontológicas na percepção de idosos que acessam serviços do Sistema Único de Saúde. Medicina (Ribeirao Preto Online) [Internet]. 7ago.2020 [citado 23set.2020];53(2):153-61. Available from: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/164281
Seção
Artigo Original
Bookmark and Share