Coma mixedematoso

Autores

  • Léa M. Z. Maciel Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo - FMRP/USP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v36i2/4p384-388

Palavras-chave:

Coma Mixedema.

Resumo

O Coma Mixedematoso, manifestação extrema do estado hipotireóideo, representa uma situação clínica incomum, mas, potencialmente, letal. Pacientes com hipotireoidismo apresentam um série de adaptações fisiológicas para compensar a falta dos hormônios tireoidianos, porém em determinadas situações, como por exemplo, na vigência de uma infecção, não serão suficientes, o paciente descompensará e caminhará para o coma. Pacientes hipotireóideos, graves têm uma história longa de cansaço, ganho de peso, constipação intestinal e intolerância pelo frio. Na suspeita de coma mixedematoso, os pacientes deverão ser admitidos em unidade de terapia intensiva para cuidados respiratórios e cardiovasculares. A maioria dos pesquisadores recomenda o tratamento com levotiroxina (L-T4), ao invés da liotironina (T3), por via endovenosa. É de grande importância o reconhecimento da causa da descompensação e tratá-la agressivamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Léa M. Z. Maciel, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo - FMRP/USP

Docente. Divisão de Endocrinologia. Departamento de Clinica Médica. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo - FMRP/USP

Downloads

Publicado

2003-12-30

Como Citar

1.
Maciel LMZ. Coma mixedematoso. Medicina (Ribeirao Preto) [Internet]. 30º de dezembro de 2003 [citado 30º de outubro de 2020];36(2/4):384-8. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/747

Edição

Seção

Endócrinas, Metabólicas e Nutricionais