[1]
L. Macchiaverni e A. Barros Filho, PERÍMETRO CEFÁLICO: POR QUE MEDIR SEMPRE, RMRP, vol. 31, nº 4, p. 595-609, dez. 1998.