Influência de Fatores Contingenciais na Adoção de Artefatos de Custos Tradicionais e Modernos na Rede Hoteleira do Paraná

  • Cleston Alexandre dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Vinícius Costa da Silva Zonatto Universidade Regional de Blumenau
Palavras-chave: Fatores contingenciais, Artefatos de custos, Rede hoteleira, Paraná-Brasil

Resumo

A literatura sugere que os fatores contingenciais ambiente, tecnologia, estratégia, estrutura e porte organizacional, seja com maior ou menor intensidade, influenciam os atributos do sistema de contabilidade gerencial (SCG), mais especificamente na adoção de artefatos do sistema de custeio. No entanto, há poucas evidências entre tais relacionamentos especificamente no setor hoteleiro. Este artigo objetiva evidenciar a influência desses fatores na adoção de artefatos tradicionais e modernos de custos na rede hoteleira do estado do Paraná. Trata-se de um estudo descritivo, com procedimentos de interrogação, elaborado mediante a aplicação de pesquisa de campo realizada entre novembro e dezembro de 2015 com 40 hotéis. A análise dos dados utilizou estatística descritiva e correlação canônica. Os achados indicam que a maioria dos hotéis pesquisados adotam de forma plena os artefatos tradicionais de custos. Quanto aos modernos, boa parte dos investigados não tem planos para sua adoção, o que reforça a predominância de artefatos tradicionais nas organizações. Mesmo em hotéis de grande porte, em que se espera que os SCG apresentem estruturas mais sofisticadas, artefatos tradicionais como instrumento de suporte à tomada de decisão ainda têm sido utilizados. Conclui-se que os fatores contingenciais estrutura e estratégia influenciam mais na adoção de artefatos modernos de custos do que de tradicionais na rede hoteleira do estado do Paraná.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleston Alexandre dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Professor do departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, Mato Grosso do Sul, Brasil.

Vinícius Costa da Silva Zonatto, Universidade Regional de Blumenau

Possui pós-doutorado em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil. Professor do departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

Referências

Abbas, K., Gonçalves, M. N., & Leoncine, M. (2012). Os métodos de custeio: vantagens, desvantagens e sua aplicabilidade nos diversos tipos de organizações apresentadas pela literatura. Contexto, 12(22), 145-159.

Abdel-Kader, M., & Luther, R. (2006). IFAC's conception of the evolution of management accounting. Advances in management accounting, 15(1), 229-247.

Abdel-Kader, M., & Luther, R. (2008). The impact of firm characteristics on management accounting practices: A UK-based empirical analysis. The British Accounting Review, 40(1), 2-27.

Ansoff, H. I., & Mcdonnell, E. J. (1993). Implantando a administração estratégica (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Baines, A., & Langfield-Smith, K. (2003). Antecedents to management accounting change: a structural equation approach. Accounting, Organizations and Society, 28(7-8), 675-698.

Beuren, I. M., & Fiorentin, M. (2014). Influência de fatores contingenciais nos atributos do sistema de contabilidade gerencial: um estudo em empresas têxteis do estado do Rio Grande do Sul. Revista de Ciências da Administração, 16(38), 195-212.

Burns, J., & Vaivio, J. (2001). Management accounting change. Management accounting research, 12(4), 389-402.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, 28(2-3), 127-168.

Chenhall, R. H. (2007). Theorizing contingencies in management control systems research. Handbooks of Management Accounting Research, 1, 163-205.

Chenhall, R. H., & Langfield-Smith, K. (1998). Adoption and benefits of management accounting practices: an Australian study. Management Accounting Research, 9(1), 1-19.

Cooper, D., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração (7ª ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.

Cooper, R., & Kaplan, R. S. (1998). The promise--and peril--of integrated cost systems. Harvard Business Review, 76(4), 109-119.

Dekker, H. C., Groot, T., & Schoute, M. (2012). A Balancing Act? The Implications of Mixed Strategies for Performance Measurement System Design. Journal of Management Accounting Research, 25, 71-98.

Espejo, M. M. S. B. (2008). Perfil dos atributos do sistema orçamentário sob a perspectiva contingencial: uma abordagem multivariada. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Espejo, M. M. S. B., Costa, F., Cruz, A. P. C., & Almeida, L. B. (2009). Uma análise crítico-reflexiva da compreensão da adoção dos artefatos de contabilidade gerencial sob uma lente alternativa: a contribuição de abordagens organizacionais. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(5), 25-43.

Faria, A. R., Trigueiros, D., & Ferreira, L. (2012). Práticas de custeio e controlo de gestão no sector hoteleiro do Algarve. Tourism & Management Studies, 8(1), 100-107.

Frezatti, F. (2005). Management accounting profile of firms located in Brazil: a field study. Brazilian Administration Review, 2(1), 73-87.

Fonseca, J. S., & Martins, G. A. (1996). Curso de estatística. São Paulo: Atlas.

Gordon, L. A., & Narayanan, V. K. (1984). Management accounting systems, perceived environmental uncertainty and organization structure: an empirical investigation. Accounting, Organizations and Society, 9(1), 33-47.

Guerra, A. R. (2007). Arranjos entre fatores situacionais e sistema de contabilidade gerencial sob a ótica da teoria da contingência. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Guerreiro, R., Cornachione Júnior, E. B., & Soutes, D. O. (2011). Empresas que se destacam pela qualidade das informações a seus usuários externos também se destacam pela utilização de artefatos modernos de contabilidade gerencial? Revista Contabilidade & Finanças, 22(55), 88-113.

Guerreiro, R., Frezatti, F., Lopes, A. B., & Pereira, C. A. (2005). O entendimento da contabilidade gerencial sob a ótica da teoria institucional. Organizações & Sociedade, 12(35), 91-106.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6ª ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.

Hansen, S. C., & Van der Stede, W. A. (2004). Multiple facets of budgeting: an exploratory analysis. Management Accounting Research, 15(4), 415-439.

Hyvönen, J. (2007). Strategy, performance measurement techniques and information technology of the firm and their links to organizational performance. Management Accounting Research, 18(3), 343-366.

Johnson, H. T., & Kaplan, R. S. (1993). Contabilidade gerencial: a restauração da relevância da contabilidade nas empresas. Rio de Janeiro: Campus.

Leitão, C. R. S., & Silva, J. D. G. (2009). Utilização do custeio variável no gerenciamento de hotéis: uma pesquisa no setor hoteleiro do nordeste brasileiro. Contabilidade Vista & Revista, 17(3), 25-43.

Lima, G. A. S. F., Egito, M. O. T., & Silva, J. D. G. (2004). Utilização de informações de custos no processo gerencial: estudo comparativo entre a hotelaria do estado do Rio Grande do Norte e a região nordeste, sob a ótica da gestão econômico-financeira. Revista Contabilidade & Finanças, 15(spe), 106-116.

Maher, M. (2001). Contabilidade de custos: criando valor para a administração (J. E. Santos, trad.). São Paulo: Atlas.

Marquesan, F. F. S., Guzzo, R. F., Zawislak, P. A., & Tello-Gamarra, J. (2015). A importância dos ativos específicos na diferenciação de firmas do setor hoteleiro. Revista Economia & Gestão, 15(41), 79-111.

Martins, E. (2010). Contabilidade de custos (10ª ed.). São Paulo: Atlas.

Maximiano, A. C. A. (2004). Introdução à administração (6ª ed.). São Paulo: Atlas.

Otley, D. T. (1980). The contingency theory of management accounting: achievement and prognosis. Accounting, Organizations and Society, 5(4), 413-428.

Píccolo, D. R., & Gândara, J. M. G. (2012). Distribuição espacial da hotelaria de rede no estado do Paraná (Brasil). Turismo e Sociedade, 5(2), 466-488.

Raymond, R. S., & Defranco, A. (2015). Uniform system of accounts for the lodging industry, 11th revised edition: the new guidelines for the lodging industry. The Journal of Hospitality Financial Management, 23(1), 79-89.

Rodniski, C. M.; Souza, M. A. (2014). Estrutura do sistema de custos e os atributos da informação: um estudo com empresas brasileiras. Revista Universo Contábil, 10(4), 45-67.

Sharma, D. S. (2002). The differential effect of environmental dimensionality, size, and structure on budget system characteristics in hotels. Management Accounting Research, 13(1), 101-130.

Silva, J. D. G. (2000). Investigação da prática da gestão econômica na atividade hoteleira. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silva, M. Z., Scarpin, J. E., Rocha, W., & Di Domenico, D. (2014). Fatores contingenciais que contribuem para a decisão de modificação do sistema de custeio: estudo de caso em uma indústria moageira. Revista de Administração, 49(2), 267-279.

Soutes, D. O. (2006). Uma investigação do uso de artefatos da contabilidade gerencial por empresas brasileiras. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Soutes, D. O., & Zen, M. J. C. M. (2005). Estágios evolutivos da contabilidade gerencial em empresas brasileiras. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, Brasil, 29.

Souza, M. A., Lisboa, L. P., & Rocha, W. (2003). Práticas de contabilidade gerencial adotadas por subsidiárias brasileiras de empresas multinacionais. Revista Contabilidade & Finanças, 14(32), 40-57.

Sulaiman, M. B., Nazli Nik Ahmad, N., & Alwi, N. (2004). Management accounting practices in selected asian countries: a review of the literature. Managerial Auditing Journal, 19(4), 493-508.

Tsai, H., Song, H., & Wong, K. K. (2009). Tourism and hotel competitiveness research. Journal of Travel & Tourism Marketing, 26(5-6), 522-546.

Wilke, E. P., & Rodrigues, L. C. (2013). Fontes de pressão institucional: reflexões sobre legitimidade na indústria hoteleira brasileira. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 7(2), 337-357.

Zonatto, V. C. S., Schuh, C., & Zonatto, P. A. F. (2014). Contribuição dos recursos estratégicos nos processos de criação da inovação em uma rede de cooperação hoteleira. Revista Turismo em Análise, 25(3), 700-732

Publicado
2019-06-14
Como Citar
Santos, C., & Zonatto, V. (2019). Influência de Fatores Contingenciais na Adoção de Artefatos de Custos Tradicionais e Modernos na Rede Hoteleira do Paraná. Revista Turismo Em Análise, 29(2), 349-369. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v29i2p349-369
Seção
Artigos e Ensaios