O Valor Atribuído à Culinária Tradicional

o caso do visitante do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses – MA

  • Ronaldo Luiz Beleze Instituto Federal do Maranhão
  • Álvaro Augusto Dealcides Silveira Moutinho Bahls Universidade do Vale do Itajaí http://orcid.org/0000-0002-9049-5777
  • Rodolfo Wendhausen Krause Universidade do Vale do Itajaí
Palavras-chave: Turismo gastronômico, Culinária típica, Slow Food, Patrimônio Cultural Imaterial, PNLM

Resumo

Sob o Patrimônio Cultural Imaterial Culinário (PCIC) dos destinos turísticos, encontramse inseridos os princípios do Slow Food, na medida em que valorizam os “saberes e fazeres” de uma comunidade acerca de suas produções alimentares, conservando e promovendo identidades culturais e o meio ambiente. O objetivo deste trabalho é apresentar o valor que os visitantes do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses atribuem à culinária típica e seus possíveis desdobramentos. Com uma metodologia descritiva e quantitativa, um instrumento de pesquisa foi aplicado em janeiro e julho de 2015, resultando em 360 questionários válidos. A análise dos dados (através de estatística descritiva, regressão logística e Anova Unidirecional) revelou alto valor atribuído à culinária para a maioria do universo relacionado (cerca de 70%). Esse grupo de visitantes está disposto a gastar mais e se deslocar por mais tempo do que os demais. Todos os grupos estão dispostos a se deslocar por mais tempo para desfrutar de passeios com o foco na culinária típica do que com outros atrativos. Porém, a satisfação com a culinária não acompanha o valor atribuído ao PCIC. A culinária ofertada não figura entre as principais preferências dos visitantes (estas são as iguarias dos povoados). Conclui-se que a gestão e promoção de produtos turísticos culinários típicos, com enfoque no movimento Slow Food, é viável como o principal fator agregador de qualidade para o referido destino, visando estender a estadia de seus visitantes, promover e conservar o PCIC dos povoados, que estão pressionados a se adaptarem à concorrência dos restaurantes locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Luiz Beleze, Instituto Federal do Maranhão

Mestre em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brasil. Professor do curso em Tecnologia em Gastronomia e Técnico em Alimentos, Hospedagem e Cozinha do Instituto Federal do Maranhã (IFMA), Barreirinhas, Maranhão, Brasil.

Álvaro Augusto Dealcides Silveira Moutinho Bahls, Universidade do Vale do Itajaí

Doutor em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brasil.

Rodolfo Wendhausen Krause, Universidade do Vale do Itajaí

Doutor em Administração e Turismo pela Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC, Brasil. Processor do Programa de Mestrado e Doutorado em Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brasil.

Referências

Araujo, T. D., & Fonseca, E. L. (2016). Análise multitemporal dos Lençóis Maranhenses entre 1984 a 2014 utilizando sensoriamento remoto orbital. Revista Brasileira de Geografia Física, 9(1), 280-295. Recuperado de http://bit.ly/2YNuhVH

Assis, N. C. (2014). SLOWFOOD: princípios, estratégias e valores dos associados do convivium Slowfood Cerrados. Monografia de bacharelado não publicada, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Bahls, A. A. D. S. M., Krause, R. W., & Farias, F. D. S. (2015). Planejamento gastronômico em destinos turísticos: uma comparação entre o panorama nacional e o estrangeiro. Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, 7(2), 223-241. Recuperado de http://bit.ly/2JzS3kc

Baptista, A., & Tibério, L. (2008). Estudo de identificação dos produtos tradicionais com tipicidade e potencialidades económicas. Vila Real, VR: AMBT.

Beleze, R. L. (2015). A ecogastronomia: estudo para incremento da atividade turística nos povoados de Barreirinhas-MA, município onde se situa a maior parte do PNLM (Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses). Dissertação de mestrado não publicada, Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, SC, Brasil.

Brasil, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). (2017). Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Recuperado de http://bit.ly/2QdguEC

Brasil, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). (2015). O que é patrimônio imaterial? Brasília, DF: Iphan.

Ministério do Turismo. (2010). Turismo cultural: orientações básicas (3ª ed.). Brasília, DF: Autor. Recuperado de http://bit.ly/2YK4227

Camargo, L. O. D. L. (2008). A pesquisa em hospitalidade. Revista Hospitalidade, 5(2), 15-51. Recuperado de https://bit.ly/2YGINyf

Carbone, F. (2016). An insight into cultural heritage management of tourism destinations. European Journal of Tourism Research, 1(14), 75-92.

Dentz, G. Z. (2017). A produção artesanal de comida tradicional como patrimônio imaterial: perspectivas e possibilidades. Revista Iberoamericana de Viticultura, Agroindustria Y Ruralidad, 4(11), 92-116. Recuperado de https://bit.ly/2HwGojS

European Comission (EC). (2016). EU agricultural product quality policy. Recuperado de https://bit.ly/154E4ef

European Union (EU). (2012). Regulation (EU) N. 1151/2012 of the European Parliament and of the Council of 21 November 2012 on quality schemes for agricultural products and foodstuffs. EUR-Lex – 32012R1151. Recuperado de https://bit.ly/30DGiif

Figueiredo, L. H. M., & Penteado, M. I. O. (2006). Patentes em biotecnologia. Patenteamento em biotecnologia agropecuária: cenário brasileiro. Biotecnologia Ciência e Desenvolvimento, 9(36), 32-39. Recuperado de http://bit.ly/2M6p5ut

Gimenes-Minasse, M. H. S. G. (2013). Cozinhando a tradição: festa, cultura, história e turismo no litoral paranaense. Curitiba, PR: Editora UFPR.

Gotman, A. (2009). O comércio da hospitalidade é possível? Revista Hospitalidade, 6(2), 3-27. São Paulo, SP. Recuperado de https://bit.ly/2VHuU0P

Harrington, R. J., & Ottenbacher, M. C. (2010). Culinary tourism – a case study of the gastronomic capital. Journal of Culinary Science & Technology, 8(1), 14-32. doi: http://doi.org/10.1080/15428052.2010.490765

Hair, J. F. J., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2005). Análise multivariada de dados. Porto Alegre, RS: Bookman.

Kim, H., Chang, H., & Huh, C. (2011). The relationship between types of tourist and destination authenticity. ScholarWorks@UMass Amherst. Recuperado de https://bit.ly/2YITNLK

Köhler, A. F., & Durand, J. C. G. (2007). Turismo cultural: conceituação, fontes de crescimento e tendências. Turismo – Visão e Ação, 9(11), 185-198. doi: http://dx.doi.org/10.14210/rtva.v9n2.p185-198 Krause, R. W., & Bahls, Á. A. D. S. M. (2013). Orientações gerais para uma gastronomia sustentável. Revista Turismo Visão e Ação, 15(3), 434-450. doi: http://dx.doi.org/10.14210/rtva.v15n3.p434-450

Krause, R. W., & Bahls, Á. A. D. S. M. (2016). A gastronomia como fator de influência na escolha de destinações turísticas – base de estudo balneário Camboriú (SC-Brasil). PASOS. Revista de Turismo Y Patrimonio Cultural, 14(2), 433-445. doi: http://dx.doi.org/10.25145/j.pasos.2016.14.028

Krippendorf, J. (2009). Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens (3ª ed.). São Paulo, SP: Aleph.

Lima, A., Baptista, F. M., Bensusan, N. (2003). Direitos intelectuais coletivos e conhecimentos tradicionais. In A. Lima, & N. Bensunan (Orgs.), Quem cala consente? Subsídios para a proteção aos conhecimentos tradicionais (pp. 203-213). São Paulo, SP: ISA.. Recuperado de https://bit.ly/2WYIX3B

Lovera, V. (2016). Gastronomia, regionalidade e identidade na serra gaúcha. Dissertação de pós-gradução não publicada. Universidade de Caxias do Sul Caxias do Sul, RS, Brasil.

Maramazon. (2014). Regiões turísticas – Lençóis Maranhenses. Recuperado de https://bit.ly/2QhYmta

Martins, U. M. O., Gurgel, L. I., & Martins, J. C. O. (2016). Experiências com a gastronomia local: um estudo de caso sobre movimento Slow Food. PASOS – Revista de Turismo y Patrimonio Cultural. 14(1), 229-241. doi: http://dx.doi.org/10.25145/j.pasos.2016.14.015

Medina, N. M., & Santos, E. C. (1999). Educação ambiental: uma metodologia participativa de formação (2ª ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Miele, M., & Murdoch, J. (2002). The practical aesthetics of traditional cuisines: Slow Food in Tuscany. Sociologia Ruralis, 42(4), 312-328. doi: http://doi.org/10.1111/1467-9523.00219

Milone, G. (2009). Estatística geral e aplicada. São Paulo, SP: Centage Learning.

Montandon, A. (2011). O livro da hospitalidade: acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. São Paulo, SP: SENAC.

Canadá, Ministry Tourism Culture and Sport (MTC). (2010). Ontario’s four-year culinary tourism strategy and action plan. Ontario, ON: Ontario Culinary Tourism Alliance.

Mulcahy, J. D. (2009). Making the case for a viable, sustainable gastronomic tourism industry in Ireland school of history and politics. Adelaide, GA: University Of Adelaide.

Neto, H. B., & Bezzi, M. L. (2017). A região cultural domo categoria de análise da cultura no espaço gaúcho. Raega – O Espaço Geográfico Em Análise, 41(1), 17-30. Recuperado de https://revistas.ufpr.br/raega/article/view/11862/10662

Nunes, R. (2012). Gastronomia sustentável. Revista Interação, 6(1), 43-59. Recuperado de https://bit.ly/2YBpyGu

Panosso Netto, A. P. (2010). O que é turismo. São Paulo, SP: Brasiliense.

Petrini, C. (2001). Slow Food: the case for taste. New York, NY: Columbia University Press.

Pietrykowski, B. (2004). You are what you eat: the social economy of the Slow Food movement. Review of Social Economy, 62(3), 307-321. doi: http://doi.org/10.1080/0034676042000253927

Pollan, M. (2007). O dilema do onívoro: uma história natural de quatro refeições. Rio de Janeiro, RJ: Intrínseca.

Portinari, F. (2007). Manifesto Slow Food. Recuperado de https://bit.ly/2HyaC6p

Robinson, M., & Picard, D. (2011). Tourism, culture and sustainable development. Paris: UNESCO. Recuperado de https://bit.ly/2M633bgRodzi, N. I. M., Zaki, S. A., & Subli, S. M. H. S. (2013). Between tourism and intangible cultural heritage. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 85, 411-420. doi: http://doi.org/10.1016/j.sbspro.2013.08.370

Sachs, I. (2009). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro, RJ: Garmond, 2009.

Santilli, J. (2015). O reconhecimento de comidas, saberes e práticas alimentares como patrimônio cultural imaterial. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, 10(3), 585-606. doi: http://doi.org/10.12957/demetra.2015.16054

Santosa, M., Clow, E. J., Sturzenberger, N. D., & Guinard, J. X. (2013). Knowledge, beliefs, habits and attitudes of California consumers regarding extra virgin olive oil. Food Research International, 54(2), 2104-2111. doi: http://doi.org/10.1016/j.foodres.2013.07.051

Scarpato, R. (2004). Gastronomy as a tourist product: the perspective of gastronomy studies. Tourism and Gastronomy – Routledge Advances in Tourism, 11, 51-69. Recuperado de https://bit.ly/2HxOZ63

Seltman, H. (2008). Experimental design and analysis. Pittsburgh, PA: Carnegie Mellon University.

Singer, P., & Mason, J. (2007). A ética da alimentação. Rio de Janeiro, RJ: Campus – Elsevier.

Slow Food Brasil. (2007). Ecogastronomia. Recuperado de https://bit.ly/2QiBf1E

Slow Food Brasil. (2011). Slow Food Brasil. Recuperado de https://bit.ly/1Olu5Gd

Slusariuc, G., & Nedelea, A. (2013). The role of cultural tourism in socio-economic regeneration of communities. Journal of Tourism – Studies and Research in Tourism, (16), 39-43. Recuperado de https://bit.ly/2VHATCZ

Sousa, R. M. M. G. D. (2010). Alimentação e culinária na cultura dos descendentes de açorianos em Santo Antônio de Lisboa – Florianópolis (Ilha de Santa Catarina – Brasil). Dissertação de Mestrado não publicada. Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugual. Recuperado de https://bit.ly/2VWfISt

Telfer, D. J., & Wall, G. (1996). Linkages between tourism and food production. Annals of Tourism Research, 23(3), 635-653. doi: https://doi.org/10.1016/0160-7383(95)00087-9

Tosato, A. (2013). The protection of traditional foods in the eu: traditional specialities guaranteed. European Law Journal, 19(4), 545-576. doi: https://doi.org/10.1111/eulj.12040

Unesco. (2003). Convenção para a salvaguarda do patrimonio cutural imaterial. Paris: UNESCO. Recuperado de https://bit.ly/2UgWzJC

Unesco. (2008). Safeguarding intangible heritage and sustainable cultural tourism: opportunities and challenges. Bangkok: UNESCO. Recuperado de https://bit.ly/2JxDnSL

Unesco. (2011). What is intangible cultural heritage? Recuperado de https://bit.ly/1PZtyIo

UNWTO. (2010). International Recomendations for Tourism Statistics. New York, NY: United Nations World tourism Organization.

Weiner, S. (2005). O Manual Slow Food (2ª ed.). Cuneo: Slow Food Editore.

Yurtseven, H. R. (2011). Sustainable gastronomic tourism in Gokceada (Imbros): local and authentic perspectives. International Journal of humanities and Social Science, 1(18), 17-26. Recuperado de https://bit.ly/2QgwtSj

Publicado
2019-06-14
Como Citar
Beleze, R., Bahls, Álvaro, & Krause, R. (2019). O Valor Atribuído à Culinária Tradicional. Revista Turismo Em Análise, 29(2), 312-331. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v29i2p312-331
Seção
Artigos e Ensaios