Breves considerações sobre processos de apropriação de traços identitários brasileiros, em anúncios publicitários do Instituto Brasileiro de Turismo-Embratur

Autores

  • Patrícia de Souza Figueiredo Lima Universidade Federal da Bahia
  • Annamaria da Rocha Jatobá Palacios Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i1p131-150

Palavras-chave:

Identidades, Publicidade, Turismo, Imagem Turística, Análise do Discurso

Resumo

Este texto analisa aspectos da apropriação de traços identitários brasileiros, em campanha publicitária do Ministério do Turismo do Brasil, através da Embratur, voltada para públicos internacionais. As peças publicitárias foram produzidas com vistas a atrair turistas para a Copa do Mundo e Olimpíadas que tiveram lugar no Brasil, respectivamente em 2014 e 2016. A pesquisa realizada mostra que, com relação a campanhas anteriores, buscou-se representar uma maior diversidade de atrativos turísticos e traços identitários. Por meio da evocação a práticas culturais mundialmente conhecidas (a exemplo do futebol e da capoeira) e sua conjunção com outras menos difundidas (a exemplo do maracatu), a Embratur buscou destacar a diversidade cultural brasileira no processo de construção de sua imagem turística, para circulação em dimensão internacional. No entanto, é identificável a continuidade e persistência de uma visão tradicional, unificada e homogeneizante com respeito a traços da identidade brasileira, associados especialmente à alegria, hospitalidade e multietnicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia de Souza Figueiredo Lima, Universidade Federal da Bahia

Mestre em Cultura e Sociedade, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil.

Annamaria da Rocha Jatobá Palacios, Universidade Federal da Bahia

Pós-Doutorado no curso Ciências da Comunicação, Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal. Docente do curso de Comunicação na Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Bauman, Z. (2005). Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Zahar.

Baudrillard, J. (1981). Simulacros e simulação. Lisboa: Antropos.

Canclini, N. G. (2008). Consumidores e cidadãos. 7. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Charaudeau, P. (2006). Discurso das mídias. São Paulo: Contexto.

Conceição, C. P. (1998). Promoção turística e (re)construção social da realidade. Sociologia: problemas e Práticas, Lisboa, n. 28, p. 67-89, dez. 1998.

Coriolano, L. N. M. T. (2005) Epistemologia da análise do discurso no turismo. Caderno Virtual de Turismo. Vol. 5, N° 2.

Fausto Neto, A. (2008). Fragmentos de uma «analítica» da midiatização. Matrizes, 1(2), 89-105.

Freitas, N. K (2013). Representação, simulação, simulacro e imagem na sociedade contemporânea. In: Polêmica. 12(2), 334-340.

Garcia, L. F. D., Júnior, I. R., & Sant´Anna, A. (2009). Propaganda: teoria, técnica e prática. São Paulo: Cengage Learning.

Gastal, S. D; Sales, F de L. (2012). Identidades sob o turismo: A italianidade no sul do Brasil. Revista Iberoamericana de Turismo – RITUR, Penedo, vol. 2, n.1, p. 22-35. Recuperado em 27 jan. 2019 de: http://www.seer.ufal.br/index.php/ritur.

Gastaldo, E. (2013). Publicidade e sociedade: uma perspectiva antropológica. Porto Alegre: Sulina.

Gastaldo, E. (2005) Uma arquibancada eletrônica: reflexões sobre futebol, mídia e sociabilidade no Brasil. CAMPOS Revista de Antropologia Social. v. 6. Recuperado em 27 jan. 2019 de: http://revistas.ufpr.br/campos/article/view/4512.

Hall, S. (1997) A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Ed.

Hjarvard, S. (2013) A midiatização da cultura e da sociedade. São Leopoldo: Ed. UNISINOS.

Heine, P. (2009) Navegando na enunciação digital: processos de construção do ethos em blogs de pré-universitários e universitários. Tese (doutorado). Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia. Salvador. Recuperado em 27 jan. 2019 de: file:///C:/Users/ba4963/Desktop/Patr%C3%ADcia/Palmira%20Virginia%20Bahia%20Heine.pdf.

Instituto Brasileiro de Turismo (2012a). Prestação de Contas Ordinária Anual. Relatório de Gestão do Exercício de 2011. Brasília, DF. Recuperado em 27 jan. 2019 de: http://www.embratur.gov.br/lai_embratur_secom/export/sites/lai/galerias/download/RelatorioGestaoEmbratur2011.pdf.

Instituto Brasileiro de Turismo (2012b). Encarte da campanha publicitária “O mundo se encontra no Brasil. Venha celebrar a vida”. Brasília, DF.

Instituto Brasileiro de Turismo (2014). Publicação eletrônica [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 28 abr. 2014.

Knoll, G. F; Pires, V. L. (2010). Intertextualidade e propaganda: análise de processos intertextuais em anúncios impressos. In: Anais do SITED Seminário Internacional de Texto, Enunciação e Discurso. Porto Alegre, RS. Recuperado em 27 jan. 2019 de: http://editora.pucrs.br/anais/sited/arquivos/GrazielaFrainerKnolleVeraLuciaPires.pdf.

Lamo de Espinosa, E. (1993). La mirada del otro. La imagen de España en el extranjero. Revista de Economía, 722, 11–26.

Lancepress Jovempan (2015) recuperado em 27 jan. 2019 de: http://jovempan.uol.com.br/esportes/futebol/selecao-brasileira/com-drogas-armas-e-7-1-salao-de-automovel-alemao-faz-satira-com-o-brasil.html.

Maingueneau, D. (2008). A propósito do Ethos. In: Motta, A. R.; Salgado, L. (orgs.). Ethos Discursivo. São Paulo: Contexto.

Maingueneau, D. (2004). Análise de textos de comunicação. 3. ed. São Paulo: Cortez.

Ministério da Cultura (2014). Plano Nacional de Cultura. Recuperado em 27 jan. 2019 de: http://pnc.cultura.gov.br/tag/roda-de-capoeira/.

Ministério do Turismo (2018) Anuário Estatístico de Turismo – 2017 - Ano base 2016. Recuperado em 27 jan. 2019 de: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/dadosefatos/home.html.

OMT (2018) Country profile – outbound tourism. Recuperado em 20 jan. 2019 de https://www.unwto.org/country-profile-outbound-tourism

Palacios, A. da R. J. (2004) As marcas na pele, as marcas no texto: sentidos de tempo, juventude e saúde na publicidade de cosméticos em revistas femininas durante a década de 90. 2004. Tese (Doutorado). Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004. Recuperado em 20 jan. 2019 de: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11292.

Paganotti, I. (2011). Imagens do Brasil Turístico nas páginas do New York Times. Pensamento & Realidade, 24(2). Recuperado em 27 jan. 2019 de: http://revistas.pucsp.br/pensamentorealidade/article/view/7083.

Pazos-Justo, C. (2017). Turismo, imagem e comunidade: reflexões a partir do caso de Santiago de Compostela. In F. G. Bouza & P. Dono López (Eds.), Galegos no Minho: 20 anos do Centro de Estudos Galegos (pp. 79–92). Húmus.

Pereira, C. da S., Siciliano, T., & Rocha, E. (2015). Consumo de experiência” e “experiência de consumo”: Uma discussão conceitual. Logos, 22(2), 6–17. Recuperado em 27 jan. 2019 de: http://doi.org/10.12957/LOGOS.2015.19523.

Silva, T. T. da. (2012). A produção social da identidade e da diferença. In: Silva, T. T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 12 ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Tomazzoni, E. L. (2006). Análise do discurso turístico da Serra Gaúcha. In: Em Questão, vol. 12, n. 2, jul-dez, 2006, pp. 339-365. Recuperado em 27 jan. 2019 de: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/41.

Vieira, L. (2009). Morrer pela pátria? Notas sobre identidade nacional e globalização. In: Vieira, L. (org.) Identidade e globalização: impasses e perspectivas da identidade e a diversidade cultural. Rio de Janeiro: Record, 2009.

Voisin, J. (2004). Comunicação turística, memória, identidade: uma proposta de abordagem e dois casos (Ilhéus-Bahia e La Rochelle-França). In: Revista Espaço Acadêmico, n. 37, junho de 2004. Recuperado em 27 jan. 2019 de: http://www.espacoacademico.com.br/037/37evoisin.htm.

White, L. (2017). Commercial nationalism and tourism: selling the national story. Bristol: Channel View Publications.

Woodward, K. (2012). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Silva, T. T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 12 ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Downloads

Publicado

2020-05-15

Como Citar

Lima, P. de S. F., & Palacios, A. da R. J. (2020). Breves considerações sobre processos de apropriação de traços identitários brasileiros, em anúncios publicitários do Instituto Brasileiro de Turismo-Embratur. Revista Turismo Em Análise, 30(1), 131-150. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v30i1p131-150

Edição

Seção

Artigos e Ensaios