Tecnologia Móvel na Gestão de Atividades Turísticas em Aracaju, SE, Brasil

Palavras-chave: Governança turística, Tecnologia, Tecnologia móvel, Aracaju/SE

Resumo

O objetivo deste estudo é discutir a influência crescente das tecnologias móveis na gestão das empresas de turismo, tendo como referência empírica as perspectivas de gestores públicos e fornecedores turísticos da cidade de Aracaju, capital do estado de Sergipe, Brasil. A tecnologia modifica a sociedade e consequentemente a sua economia. Na relação com o turismo, possui a importância de oportunizar o avanço da destinação por meio da promoção e comercialização, encurtar distâncias e catalisar o conhecimento de forma rápida e competitiva. Mediante revisão de literatura acerca das temáticas “gestão e governança turística”, “tecnologia” e “tecnologia móvel”, deu-se o processo da coleta de dados por meio de um formulário específico com cinco perguntas objetivas para gestores públicos e prestadores de serviços do turismo, visando avaliar a intervenção das tecnologias móveis na governança e gestão da atividade de cada empresa. Participaram da pesquisa de campo cinco grupos de prestadores de serviços do turismo de Aracaju: meios de hospedagens, agências de viagens, locadoras de veículos e gestão pública estadual e municipal. A análise estatística das respostas ao formulário permitiu concluir que o uso da tecnologia móvel ocasiona transformações na governança e gestão do turismo, sendo assim uma ferramenta intermediária e relevante que facilita e agiliza as tomadas de decisões e estratégias de atuação para aproximar o turista dos produtos e serviços turísticos, além de resolver necessidades pessoais e empresariais do dia a dia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leylane Meneses Martins, Instituto Federal de Sergipe

Mestre em Turismo pelo Instituto Federal de Sergipe (IFS), Aracaju, SE, Brasil.

Jose Wellington Carvalho Vilar, Instituto Federal de Sergipe

Doutor em Análisis Geográfico en la Ordenación del Teritorio pela Universidade de Granada, Granada,
Espanha. Docente do Instituto Federal de Sergipe (IFS), Aracaju, SE, Brasil.

Referências

Baggio, R., Scott, N., & Cooper, C. (2010). Improving tourism destination governance: a complexity science approach. Tourism Review, 65(4), 51-60. doi: 10.1108/16605371011093863

Barbosa, L. G. M. (Org.). (2008). Estudo de competitividade dos 65 destinos indutores do desenvolvimento turístico regional: relatório Brasil. Brasília, DF: Autor. Retrieved from https://bit.ly/2UZBhNe

Beritelli, P., & Bieger, T. B. (2014). From destination governance to destination leadership – defining and exploring the significance with the help of a systemic perspective. Tourism Review, 69(1), 25-46. doi: 10.1108/TR-07- 2013-0043

Bolsoni, W. (2004). Tecnologia aplicada à Indústria do Turismo. In: B. H. G. Lage (Ed.), Turismo, hotelaria & lazer. São Paulo: Atlas.

Ministério do Turismo. (2016). Prestadores de serviços turísticos / CADASTUR. Retrieved from http://dados.turismo.gov.br/cadastur

Brito, A. S. (2014). Governança em território turístico: uma análise comparativa entre a Costa das Baleias (BA) e o município de Bento Gonçalves (RS). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Buhalis, D. (1998). Strategic use of information technologies in the tourism industry. Tourism Management, 19(5), 409-421.

Cooper, C., Hall, M., & Trigo, L. G. G. (2011). Turismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Elsevier.

Dickinson, J. E., Ghali, K., Cherrett, T., Speed, C., Davies, N., & Norgate, S. (2014). Tourism and the smartphone app: capabilities, emerging practice and scope in the travel domain. Current Issues in Tourism, 17(1), 84-101.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63. doi: 10.1590/S0034-75901995000200008

González, M. V. (2014). Gobernanza turística: ¿Políticas públicas innovadoras o retórica banal? Caderno Virtual de Turismo, 14(1), 9-22. Recuperado de: https://bit.ly/2HwwSh0

Hassan, H. (2011). Tecnologias de informação e turismo: e-tourism. Dissertação de Mestrado, Universidade de Coimbra, Coimbra. Retrieved from https://bit.ly/2MaILx8

Hoehle, H., &Venkatesh, V. (2015). Mobile application usability: conceptualization and instrument development. MIS Quarterly, 39(2), 435-472. Recuperado de: https://bit.ly/2VTOyM1

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Martins, C., Fiates, G. G. S., & Pinto, A. L. (2016). A relação entre os clusters de turismo e tecnologia e seus impactos para o desenvolvimento local: um estudo bibliométrico da produção científica. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 10(1), 65-88. Retrieved from https://rbtur.org.br/rbtur/article /view/907

Nascimento, I., Maia, A. F., & Dias, P. O. O. (2012). A experiência como produto turístico: a emoção e a sensação do novo e diferente. Revista Turismo: Estudos e Práticas, 2(1), 142-159.

Noor, N. M., Mahmud, S. A., Wahidin, I. S., & Arshad, S. R. (2017). Users readiness towards mobile application: a preliminary findings. Journal of Information System and Technology Management, 2(6), 55-61. Retrieved from https://bit.ly/2VTNt7g

Pedroso, R. F. (2012). A gestão turística face às novas tendências com aplicação nas áreas protegidas – estudo de caso no âmbito do turismo de natureza. Dissertação de Mestrado, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa. Retrieved from http://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/5077

Ramos, A. S. M., Mendes Filho, L. A. M., & Lobianco, M. M. L. (2017). Sistemas e tecnologia da informação no turismo: um enfoque gerencial. Curitiba: Prismas.

Raosoft. (2004). Sample size calculator. Retrieved from https://bit.ly/1FF94xn

Rhodes, R. A. W. (1996). The new governance: governing without government. Political Studies, 44(4), 652-667. doi: 10.1111 / j.1467-9248.1996.tb01747.x

Rivera, M., Croes, R., & Zhong, Y. Y. (2016). Developing mobile services: a look at first time and repeat visitors in a small island destination. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 28(12), 2721-2747. doi: 10.1108/ IJCHM-02-2015-0052

Roth, A. L., Wegner, D., Antunes, J. A. V., Jr., & Padula, A. D. (2012). Diferenças e inter-relações dos conceitos de governança e gestão de redes horizontais de empresas: contribuições para o campo de estudos. Revista de Administração, 47(1), 112-123. doi: 10.5700/rausp1029

Svensson, B., Nordin, S., & Flagestad, A. (2005). A governance perspective on destination development‐exploring partnerships, clusters and innovation systems. Tourism Review, 60(2), 32-37. doi: 10.1108/eb058455

Tan, G. W.-H., Lee, V. H., Lin, B., & Ooi, K.-B. (2017). Mobile applications in tourism: the future of the tourism industry? Industrial Management & Data Systems, 117(3), 560-581. doi: 10.1108/IMDS-12-2015-0490

Tomio, M., & Schmidt, C. M. (2014). Governança e ações coletivas no turismo regional: a experiência dos Empreendedores da Região Oeste do Paraná. Revista Turismo: Visão e Ação, 16(3), 710-739. doi: 10.14210/rtva.v16n3

Trentin, F. (2016). Governança turística em destinos brasileiros: comparação entre Armação dos Búzios/RJ, Paraty/RJ e Bonito/MS. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 14(3), 645-658. Recuperado de http://www.redalyc.org/html/881/88145925006

Xiang, Z. (2017). From digitization to the age of acceleration: on information technology and tourism. Tourism Management Perspectives, 25, 147-150. doi: 10.1016/j.tmp.2017.11.023

Zhang, J., Calabrese, C., Ding, J., Liu, M., & Zhang, B. (2017). Advantages and challenges in using mobile apps for field experiments: A systematic review and a case study. Mobile Media & Communication, 6(2), 179-196. doi: 10.1177/2050157917725550

Publicado
2018-12-18
Como Citar
Martins, L., & Vilar, J. W. (2018). Tecnologia Móvel na Gestão de Atividades Turísticas em Aracaju, SE, Brasil. Revista Turismo Em Análise, 29(3), 396-412. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v29i3p396-412
Seção
Artigos e Ensaios