Estratégias utilizadas por cuidadores informais frente aos sintomas neuropsiquiátricos de idosos com demência.

  • Lívia Mara Naves Barros Perdigão Universidade Federal de Minas Gerais UFMG
  • Simone Costa de Almeida Universidade Federal de Minas Gerais UFMG
  • Marcella Guimarães Assis Universidade Federal de Minas Gerais UFMG
Palavras-chave: Demência/terapia, Doenças do sistema nervoso, Cuidadores, Idoso.

Resumo

Estudo objetiva discutir as estratégias que os cuidadores informais utilizaram frente aos sintomas neuropsiquiátricos de idosos com demência. Uma amostra de 26 cuidadores respondeu um questionário sociodemográfico, o Inventário Neuropsiquiátrico (NPI) e informou sobre as estratégias psicossociais utilizadas frente aos distúrbios neuropsiquiátricos. Os resultados foram descritos em frequência. A média de idade dos cuidadores foi de 57,54 anos; 84,61% do sexo feminino; 50% filhos dos idosos; e o tempo médio como cuidador foi de 7,51 anos. Os sintomas mais prevalentes foram apatia, agitação/agressividade, ansiedade e depressão. Os cuidadores relataram estratégias próprias para abordar as alterações de comportamento, e dentre as mais frequentes destacaram-se não confrontar o idoso; distraí-lo; envolvê-lo em atividades; utilizar o diálogo. As intervenções psicossociais podem facilitar o gerenciamento das alterações comportamentais na demência e diminuir a sobrecarga em relação ao cuidado, sendo importante oferecer aos cuidadores informações que contribuam para o enfrentamento dessas alterações.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-10-25
Como Citar
Perdigão, L., Almeida, S., & Assis, M. (2017). Estratégias utilizadas por cuidadores informais frente aos sintomas neuropsiquiátricos de idosos com demência. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo, 28(2), 156-162. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v28i2p156-162
Seção
Artigo Original