O relato de viagem como gênero literário-filosófico em Hölderlin e Dostoiévski

  • Claudia Drucker Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Filosofia
Palavras-chave: Antiguidade, Ocidente, Rússia, estranhamento, oposição

Resumo

Tanto na obra de Hölderlin como na de Dostoiévski a viagem ao estrangeiro exerce um papel. A ida ao estrangeiro é uma oportunidade de autoconhecimento pelo contraste. Há diferenças importantes entre as descobertas. O “nós” de Hölderlin é o europeu, enquanto o de Dostoiévski é o russo, entendido como o antiburguês. Hölderlin encontra no sul da França aspectos dos gregos antigos, que ele opõe ao “ocidental” que ele é. Dostoiévski encontra em Paris o tipo acabado do burguês, que ele oporá ao russo. Nos dois casos, a viagem põe o escritor diante da tarefa da sua arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-12-22
Como Citar
Drucker, C. (2015). O relato de viagem como gênero literário-filosófico em Hölderlin e Dostoiévski. RUS (São Paulo), 6(6), 21-35. https://doi.org/10.11606/issn.2317-4765.rus.2015.108589
Seção
Artigos