Duas palavras acerca da epígrafe de Turguêniev à novela Noites brancas, de Dostoiévski

  • Boris N. Tikhomírov
Palavras-chave: Dostoiévski, Turguêniev, Noites brancas, epígrafe

Resumo

Este artigo tem como objetivo desvendar a função da epígrafe da novela Noites brancas (1848), de F. M. Dostoiévski, composta pelos três versos finais do poema “Flor” (1843), de I. S. Turguêniev. A função da epígrafe é analisada em dois planos: no explícito, tradicional, e num plano oculto, que revela seu significado apenas aos iniciados. No primeiro plano, a epígrafe de três versos, tomada isoladamente do texto-fonte de Turguêniev, focaliza a ideia do autor de Noites brancas dotando-se de um conteúdo específico no contexto da novela de Dostoiévski. No segundo plano, junto à reconstrução do contexto completo do poema “Flor”, nos mesmos versos poéticos revela-se de modo significativo um outro conteúdo, a princípio oposto à ênfase do autor de Noites brancas. Em suma, a epígrafe revela-se como polemicamente “fendida”, nela cruzam-se posições ideológicas e estéticas diametralmente opostas. Como destinatário da controversa, que é mantida no plano oculto do funcionamento da epígrafe, aparece I. S. Turguêniev, com quem, na década de 1840, Dostoiévski mantivera relações complexas de amizade e inimizade

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Boris N. Tikhomírov
Crítico literário, Doutor em Ciências da Filosofia, diretor adjunto de trabalhos científicos do Museu Memorial F. M. Dostoiévski, em São Petersburgo, Rússia
Publicado
2016-04-07
Como Citar
Tikhomírov, B. (2016). Duas palavras acerca da epígrafe de Turguêniev à novela Noites brancas, de Dostoiévski. RUS (São Paulo), 7(7), 3-16. https://doi.org/10.11606/issn.2317-4765.rus.2016.114015
Seção
Artigos