Luz, gambiarras e corpo nômade

Palavras-chave: dispositivos, poéticas de luz, atuantes, treinamento, afetações.

Resumo

O objetivo deste artigo é desenvolver uma primeira reflexão sobre o Caderno de Montagem da atuante Virginia Abasto. Produzido durante a criação da dramaturgia de luz Opus Lux, foi analisado a partir de uma perspectiva que entende registros dessa natureza como atos biográficos, como inacabamentos que falam de uma singularidade na criação, pela qual é possível conectar e acessar a rede inventiva da atuante nesse processo. Como principal malha de imersão teórica trabalhamos com os pressupostos teóricos de Gilles Deleuze e Félix Guattari. Assim, o Caderno de Montagem é o mapa das afetações pelo qual entramos nas relações de desterritorialização do corpo provocada pelos dispositivos de luz e nas linhas de fuga reveladas pelos dispositivos de luz no corpo nômade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iara Regina da Silva Souza, Universidade Federal do Pará

Professora mestra da Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará

Wlad Lima, Universidade Federal do Pará

Professora doutora da Escola de Teatro e Dança e do Programa de Pós-graduação em Artes do ICA/UFPA

Referências

CALLIGARIS, C. Verdades de Autobiografias e Diários Íntimos. Revista Estudos Históricos, v. 11, p. 43-58, 1998. ISSN 21. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/viewArticle/2071>. Acesso em: 20 out. 2012.

CAUQUELIN, A. Frequentar os incorporais: contribuição a uma teoria da arte contemporânea. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

DELEUZE, G. O que é um dispositivo? In: O mistério de Ariana: cinco textos e uma entrevista de Gilles Deleuze. Lisboa: Vega, 1996. p. 115-161.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Kafka: por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

______. Mil planaltos: capitalismo e esquizofrenia 2. Lisboa: Assírio & Alvim, 2007.

DIDI-HUBERMAN, G. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 1998.

ENTLER, R. Poéticas do acaso: acidentes e encontros na criação artística. 2000. Tese (Doutorado em Artes), Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações e Arte/Departamento de Artes Plásticas, São Paulo.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

GUMBRECHT, H. U. Produção de presença. Rio de Janeiro: PUC, 2010.

LIMA, W. Caderno do diretor: uma tecnologia poética na prática da encenação. Ensaio Geral, Belém, v. 4, n. 8, p. 107-118, 2012.

______. Uma webcartografia dos estudos culturais em Portugal. 2014. Disponível em: <http://estudosculturais.com/webcartografia/tecendo-as-pistas-cartograficas/>. Acesso em: 8 ago. 2015.

SALLES, C. A. Crítica genética: uma nova introdução. 2. ed. São Paulo: EDUC, 2000.

______. Redes da criação: construção da obra de arte. Valinhos: Editora Horizonte, 2006.

SOUZA, I. A gambiarra na cena: uma poética de iluminação para ativação de obras de arte em Belém do Pará. 2011. Dissertação (Mestrado em Artes), Instituto de Ciências da Arte, Universidade Federal do Pará. Disponível em: <http://www.ppgartes.ufpa.br/images/download/Disserta%C3%A7%C3%B5es%20da%20turma%20de%20%202009/DISSERTA%C3%87%C3%83O%20IARA%20REGINA%20DA%20SILVA%20SOUZA.pdf>. Acesso em: 9 ago. 2015.

Publicado
2015-12-23
Como Citar
Souza, I. R., & Lima, W. (2015). Luz, gambiarras e corpo nômade. Sala Preta, 15(2), 93-105. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v15i2p93-105
Seção
EM PAUTA