Portal da USP Portal da USP Portal da USP

A linguagem autônoma da luz como arte performativa: a alteração perceptiva através da luz e seu conteúdo narrativo

Mirella Brandi

Resumo


Este artigo aborda a luz como linguagem autônoma de uma arte expandida que se apropria de inúmeros conceitos e técnicas de diversas áreas cênicas e visuais para a criação de narrativas subjetivas. Explora o lado perceptivo da luz como ferramenta artística que se estabelece por meio das artes visuais, do cinema expandido e da arte performativa. O texto evidencia conceitos de diferentes ordens, reunidos de modo singular através da luz. Inicia seu percurso citando algumas descobertas e teorias importantes sobre a natureza incerta da luz, e avança abordando a fusão de linguagens e pensamentos na arte. Um olhar é lançado para o que pode ser aprofundado e reorganizado na criação artística em diferentes áreas. O método investigativo transdisciplinar busca contribuir para a discussão deste tema ainda recente na esfera da iluminação como expressão artística.


Palavras-chave


luz, artes visuais, arte performativa, narrativa, percepção.

Texto completo:

PDF

Referências


BALL, S.; CURTIS, D. Expanded cinema: art, performance, film. Londres: Tate, 2011.

BASTOS, M. Limiares das redes: escritos sobre arte e cultura contemporânea. São Paulo: Intermeios; Fapesp, 2014.

BRAGDON, C. F. Harnessing the rainbow. In: Archicture and democracy. Nova York: A. A. Knopf, 1918.

COLLECTION Casa Daros. Julio le Parc kinetic works. Rio de Janeiro, 2004.

FÉRAL, J. Por uma poética da performatividade: o teatro performativo. Sala Preta, São Paulo, v. 8, p. 197-210, 2008.

______. Além dos limites. São Paulo: Perspectiva, 2015.

FUSCO, R. de. Storia dell’arte contemporanea. Roma-Bari: Laterza,1983.

GOETHE, J.W. Doutrina das cores. São Paulo: Nova Alexandria, 2011.

GOUMARRE, L.; KIHM, C. Performance contemporaine. Paris: Airpress, 2008.

INSTITUTO TOMIE OTAKE. Soto: a construção da imaterialidade. Exposição. São Paulo, 2005.

LEHMANN, H. Le Théâtre post-dramatique. Paris: L’Arche, 2002.

NAUMANN, S. A Imagem Expandida sobre a musicalização das artes visuais no século vinte. TECCOGS, v. 6, p. 155-187, 2012.

NEWTON, I. Óptica. Trad. André Koch Assis. São Paulo: Edusp, 2002.

PAROLA, R. Optical art: theory and practice. Nova York: Dove, 1996.

SHYER, L. Robert Wilson and his collaborators. Londres: The Theatre Comunications Group, 1989.

SILVA, M. História da mecânica quântica 3: a natureza probabilística do mundo quântico e o princípio de incerteza. Artigonal, 1 fev. 2010.

SOLOMON R. GUGGENHEIM FOUNDATION. James Turrell. Exposição. Nova York: 2013.

VAN DOESBURG, T. Film as pure form. Form, 1966.

WAGNER, R. The art-work of the future, and other works. Londres: W. Ashton Ellis, 1993.

YOUNGBLOOD, G. Expanded cinema. Nova York: E. P. Dutton, 1970.

ZILCZER, J. Music for the eyes: abstract painting and light art. Nova York: Thames & Hudson, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v15i2p46-58

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.