Falando sobre experiência estética para pensar o lugar da mediação

  • Arlene von Sohsten Universidade de Brasília
Palavras-chave: experiência estética, olhar, mediação.

Resumo

Pretende-se, neste artigo, desfiar um entendimento para o que se chama experiência estética na arte a partir de semelhanças encontradas entre a personagem G.H., de Clarice Lispector, e os escritos de Georges Didi-Huberman sobre a relação entre olhante-olhado; bem como explicitar a posição do sujeito na experiência. Por fim, esse lugar encontrado para o sujeito da experiência será também o lugar da mediação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlene von Sohsten, Universidade de Brasília

Mestra em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (UnB)

Referências

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução: Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994 – Obras escolhidas. V. 1.

BONDÍA, Jorge L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, Jan./Abr. 2002.

DEWEY, John. Arte como experiência. Tradução: Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DIDI-HUBERMAN, G. O que vemos, o que nos olha. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 2010.

LISPECTOR, Clarice. A Paixão Segundo G.H. 18ª edição. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
von Sohsten, A. (2018). Falando sobre experiência estética para pensar o lugar da mediação. Sala Preta, 18(1), 126-137. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v18i1p126-137
Seção
MEDIAÇÃO