Edital é pouco, meu prêmio primeiro: uma análise material do “mercado” teatral brasileiro

  • Manoel Silvestre Friques Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Mercado de teatro brasileiro, Economia do teatro, Produção teatral.

Resumo

Este texto apresenta uma análise das condições materiais do mercado teatral brasileiro, a partir de dados colhidos de fontes oficiais diversas, com a finalidade de se elaborar um perfil de funcionamento da produção cênica no país, o que ainda é um tabu nos circuitos teatrais. Justapõe- -se aos indicadores referentes à distribuição dos equipamentos teatrais, aos hábitos teatrais dos brasileiros, à Lei Rouanet e ao Catarse, uma reflexão a respeito da lei de Baumol, considerada pelos economistas da cultura a teoria que justifica o comportamento econômico do teatro. Por fim, propõe-se um cruzamento das informações coletadas com a produção – poética e discursiva – do circuito artístico, em geral, e teatral, em particular, a fim de se vislumbrar um possível perfil material da produção teatral brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Silvestre Friques, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Manoel Silvestre Friques é Teórico do Teatro (UNIRIO) e Engenheiro de Produção (UFRJ). Doutorando no Programa de História Social da PUC-Rio, foi Visiting Scholar no Department of Art History and Archaeology da Columbia University (2015-2016), é Mestre em Artes Cênicas pela UNIRIO. Professor da Escola de Engenharia de Produção da UNIRIO, deu aulas, entre 2008 e 2013, nos cursos de Design de Moda e Artes da Faculdade SENAI Cetiqt. Publicou o livro de críticas Seis Chaves (EAV, 2012) e ensaios nas revistas Concinittas, Poeisis, Arte & Ensaios, Percevejo, Urdimento, E-compós, dentre outras. Dentre suas últimas curadorias destacam-se Lúmens (Furnas Espaço Cultural), Incorpóreo (Centro de Justiça Federal), ambas individuais de João Penoni em 2013; Brazo de Monte, exposição individual de Andrés Boero Madrid, no Uruguai em 2014; e as exposições coletivas Coisas Vistas Aqui e Ali, Sem Óculos e Curadoria Operária (ambas no Espaço Cultural Sergio Porto, 2014).

Referências

ADORNO, T. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BARTHES, R. Mitologias. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BENHAMOU, F. A economia da Cultura. Cotia: Ateliê Editorial, 2007.

BRANDÃO, T. Alguma tradição e muita invenção – um prêmio de teatro ecumênico ou polêmico? 2012. Disponível em: <http://foliasteatrais.com.br/alguma-tradicao-e-muita-invencao-um-premio-de-teatro-ecumenico-ou-polemico/>. Acesso em: 20 fev. 2016.

BRASIL. Sistema de Apoio às Leis de Incentivo à Cultura (Salic). Disponível em: <http://novosalic.cultura.gov.br/>. Acesso em: 16 jun. 2016.

CATARSE. Sala de imprensa. Disponível em: <https://www.catarse.me/pt/press>. Acesso em: 16 jun. 2016.

DATAFOLHA. Hábitos culturais dos cariocas: população residente na cidade do Rio de Janeiro com 12 anos ou mais. Relatório. Rio de Janeiro, 2013 – Versão 2. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/4478506/4113215/HabitosCulturaisCarioca.pdf>.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

DUBOIS, P. Cinema Video Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

FECOMERCIO-RJ/IPSOS. Hábitos culturais do brasileiros. 2014. Disponível em: <http://www.fecomercio-rj.org.br/publique/media/Pesquisa%20de%20Cultura.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2016.

FERREIRA, L. A.; MACHADO NETO, M. M. Economia da cultura: contribuições à construção do campo e histórico da gestão de organizações culturais no Brasil. Rio de Janeiro: Conceito Editorial, 2011.

FRATESCHI, C. O teatro não é inviável economicamente. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 30 mar. 2008.

FURTADO, C. Ensaios sobre cultura e o Ministério da Cultura. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado, 2012.

HEILBRUN, J. Baumol’s cost disease. In: TOWSE, R. (Ed.). A handbook of cultural economics. 2. ed. Cheltenham: Edward Elgar, 2011.

HERMANN, J. Auge e declínio do modelo de crescimento com endividamento: o II PND e a crise da dívida externa (1974-1984). In: GIAMBIAGGI, F. (Org.). Economia Brasileira Contemporânea (1945-2004). São Paulo: Campus/Elsevier, 2005. p. 93-114.

HERSCOVICI, A. Artes Cênicas: análise econômica, modalidades de financiamento e novas perspectivas na era da economia digital. In: BOLAÑO, C. et al. (Org.). Economia da arte e da cultura. São Paulo: Itaú Cultural; São Leopoldo: Cepos/Unisinos; Porto Alegre: PPGCOM/UFRGS; São Cristóvão: Obscom/UFS, 2010. p. 119-136.

IBGE. Perfil dos estados e dos municípios brasileiros: cultura: 2014 / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro : IBGE, 2015.

JAMESON, F. The political unconscious. London: Routledge Classics, 2002.

KOTT, J. Shakespeare nosso contemporâneo. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

KRAUSS, R. Sculpture in the Expanded Field. October, v. 8, p. 30-44, 1979.

______. Welcome to the Cultural Revolution. October, v. 77, p. 83-96, 1996.

LEIVA, J (Org.). Cultura SP: Hábitos culturais dos paulistas. São Paulo: Tuva, 2014. Disponível em: <http://www.jleiva.com.br/pesquisa_sp/downloads/livro_cultura_em_sp.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2016.

NUNES, B. F. A inovação na economia da cultura: analisando o papel da inovação na atividade teatral. 2012. 117f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

OSBORNE, P. Anywhere or not at all: philosophy of contemporary art. London: Verso Books, 2013.

PRESTES FILHO, L. C. Economia da cultura: a força da indústria cultural no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: E-papers, 2002.

REIS, F. Temporadas de teatro ficam menores em São Paulo e prejudicam público. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 jul. 2014. Ilustrada. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/07/1492336-tempo-de-duracao-das-pecas-em-cartaz-encolhe-nos-teatros-de-sao-paulo.shtml>. Acesso em: 10 out. 2015.

ROUBINE, J.-J. A linguagem da encenação teatral. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

SESC - Fundação Perseu Abramo. Pesquisa de Opinião Pública: Públicos de Cultura. 2013. Disponível em: <http://www.sesc.com.br/portal/site/publicosdecultura/>. Acesso em : 20 de junho 2016.

SILVA, F. A. B. da. Economia e política cultural: acesso, emprego e financiamento. Brasília, DF: Ministério da Cultura, 2007. 308 p. (Cadernos de Políticas Culturais, v. 3)

TORRES, L. “A dramaturgia brasileira começou a se desenvolver”, destaca crítica Bárbara Heliodora. 2014. Disponível em: <http://teatroemcena.com.br/home/a-dramaturgia-brasileira-comecou-a-se-desenvolver-destaca-barbara-heliodora/>. Acesso em: 20 fev. 2016.

TOWSE, R. A textbook of cultural economics. New York: Cambridge University Press, 2010.

VOGEL, H. L. Entertainment industry economics – a guide for Financial Analysis. 8. ed. New York: Cambridge University Press, 2011.

Publicado
2016-07-01
Como Citar
Friques, M. (2016). Edital é pouco, meu prêmio primeiro: uma análise material do “mercado” teatral brasileiro. Sala Preta, 16(1), 179-213. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v16i1p179-213
Seção
SALA ABERTA