O lugar da peça O homem e o cavalo no pensamento antropofágico de Oswald de Andrade

  • Nanci de Freitas Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Teatro de Oswald de Andrade, O homem e o cavalo, antropofagia, matriarcado, Revolução Socialista

Resumo

O artigo procura situar a peça O homem e o cavalo, de Oswald de Andrade, escrita em 1933, no percurso das transformações do pensamento antropofágico oswaldiano, revisitando o debate sobre estética e política no âmbito do modernismo brasileiro e da produção de Oswald de Andrade nos anos 1930 e nas teses dos anos 1950. O texto analisa a tensa relação entre antropofagia, matriarcado e marxismo, numa abordagem, na peça, que aponta para a construção de uma nova sociedade, sem divisão de classes e dogmas religiosos, sob os preceitos da igualdade, da técnica e da socialização da produção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nanci de Freitas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
no Departamento de Linguagens Artísticas e no PPG em Artes

Referências

ANDRADE, Oswald de. O homem e o cavalo. São Paulo: Editora Globo: Secretaria Estado da Cultura, 1990.

______. A utopia antropofágica. São Paulo: Globo, 1995.

______. Estética e política. Pesquisa, org. introdução, notas e estabelecimento de texto de Maria Eugênia Boaventura. – São Paulo: Globo, 1992.

BOAVENTURA, Maria Eugênia. O salão e a selva: uma biografia ilustrada de Oswald de Andrade. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP: Editora Ex Libris, 1995.

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade e do Estado. Tradução de Leandro Konder. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fundação para o desenvolvimento da educação, 2000.

FREITAS, Nanci de. O homem e o cavalo: montagem e monumentalidade na estética teatral oswaldiana (tese de doutorado). Rio de Janeiro: Uni-Rio, 2007.

FREUD, S. Totem e tabu. Tradução: Órizon Carneiro Muniz. Rio de Janeiro: Imago, 1999.

LAFETÁ, João Luiz. 1930: a crítica e o Modernismo. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.

MARX, Karl, O Capital - volume I. Trad.: Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013, p. 91.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. Edição comentada por Chico Alencar. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.

MONTAIGNE. Ensaios. Tradução de Sérgio Milliet. São Paulo: Abril Cultural (Coleção: Os Pensadores), 1988.

MORAES, Eduardo Jardim de. A brasilidade modernista: sua dimensão filosófica. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

NUNES, Benedito. “A antropofagia ao alcance de todos”. In: ANDRADE, Oswald de. A utopia antropofágica. São Paulo: Globo, 1995.

______. Oswald canibal. São Paulo, Perspectiva, 1979.

REICH, Wilhelm. A revolução sexual. Tradução: Ary Blaustein. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda europeia e modernismo brasileiro: apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas. Rio de Janeiro: Record, 1987.

VELLOSO, Mônica Pimenta. “A brasilidade verde-amarela: nacionalismo e regionalismo paulista”. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 6, n. 11, 1993.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Freitas, N. (2018). O lugar da peça O homem e o cavalo no pensamento antropofágico de Oswald de Andrade. Sala Preta, 18(1), 35-54. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v18i1p35-54
Seção
BRASIL