Um qualquer espectador: notas sobre um escândalo teatral

  • Luiz Paulo Pimentel Universidade de São Paulo
  • Julio Groppa Aquino Faculdade de Educação - Universidade de São Paulo
Palavras-chave: História do teatro brasileiro, Espectador teatral, Pateada, Governamentalidade.

Resumo

O presente texto debruça-se sobre um escândalo teatral ocorrido em 1827, no Brasil, com vistas à análise da vinculação, centrada na figura do espectador, entre as práticas teatrais e certas políticas de Estado, por meio de estratégias pedagogizantes. Assim, investiga-se a emergência do espectador como sujeito de periculosidade, bem como de uma série de táticas de governo empenhadas em gerenciá-lo por meio do policiamento de seu corpo e da educação de seus hábitos, cujos efeitos insistiriam no presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Paulo Pimentel, Universidade de São Paulo
Mestrando na Faculdade de Educação da USP.
Julio Groppa Aquino, Faculdade de Educação - Universidade de São Paulo
Professor Titular da Faculdade de Educação da USP

Referências

ASTRÉA. Rio de Janeiro, n. 252, 28 fev. 1828.

CABRAL, B. Ação cultural e teatro como pedagogia. Sala Preta, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 4-17, jun. 2012.

CARNEIRO, L. M.; GUIMARÃES, J. Editorial – O espectador contemporâneo. Aspas, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 1-6, 2016.

CASTRO, E. Vocabulário de Michel Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

DESGRANGES, F. Teatralidade tátil: alterações no ato do espectador. Sala Preta, São Paulo, v. 8, p. 11-19, 2008a.

______. Mediação teatral: anotações sobre o projeto Formação de Público. Urdimento, Florianópolis, n. 10, p. 75-83, dez. 2008b.

______. O efeito estético: finalidade sem fim. Urdimento, Florianópolis, v. 12, n. 17,

______. A inversão da olhadela: alterações no ato do espectador teatral. São Paulo: Hucitec, 2012.

O ESPELHO DIAMANTINO. Rio de Janeiro, n. 6, 7 dez. 1827.

FARIA, J. R.; GUINSBURG, J.; LIMA, M. A. (Coord.). Dicionário do teatro brasileiro: temas, formas e conceitos. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Perspectiva: Edições Sesc SP, 2009.

FARIA, J. R. (Org.). Ideias teatrais: o século XIX no Brasil. São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 2001.

_________. O teatro realista. In: FARIA, J. R. (Dir.). História do Teatro Brasileiro V. I. São Paulo: Perspectiva/Edições Sesc SP, 2012. p. 159-218.

FIGUEIREDO, M. C. C.; GOMES J. dos S. A origem dos cursos jurídicos no Brasil. Âmbito Jurídico, São Paulo, ano XV, n. 105, 2012.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos: curso no Collège de France (1979-1980). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014.

_________. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros II: curso no Collège de France (1983-1984). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

_________. O governo de si e dos outros: curso no Collège de France (1982-1983). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

______. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

_________. Segurança, território e população: curso dado no Collège de France

(1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

_________. Nietzsche, a Genealogia, a História. In: ______. Ditos e escritos, volume

II: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de

Janeiro: Forense Universitária, 2008c. p. 260-279.

______. A vida dos homens infames. In: Estratégia, poder-saber. Ditos e escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. p. 203-222.

GIRON, L. A. Minoridade crítica: a ópera e o teatro nos folhetins da Corte: 1826-1861. São Paulo/Rio de Janeiro: Edusp/Ediouro, 2004.

Publicado
2017-07-17
Como Citar
Pimentel, L., & Aquino, J. (2017). Um qualquer espectador: notas sobre um escândalo teatral. Sala Preta, 17(1), 156-176. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i1p147-167
Seção
EM PAUTA