Boal, leitor de Brecht: uma questão de método

  • Anderson Zanetti Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Augusto Boal, Bertolt Brecht, método, dialética materialista

Resumo

Este artigo aborda o ensaio Hegel e Brecht: personagem-sujeito ou sujeito-personagem?, principal escrito de Augusto Boal acerca da poética de Bertolt Brecht. O objetivo é ressaltar que os limites da interpretação de Boal encontram-se na ausência de discussão acerca do papel do método da dialética materialista no trabalho de Brecht. Com isso, o raio de alcance da leitura de Boal não ultrapassaria o campo formal da crítica literária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Zanetti, Universidade Estadual Paulista

Doutor em Artes Cênicas pelo Instituto de Artes da Unesp de São Paulo

Referências

ALTHUSSER, Louis. A favor de Marx. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOAL, Augusto. O teatro do oprimido e outras poéticas políticas. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

BORNHEIM, Gerd. Brecht – A estética do teatro. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

BRECHT. Bertolt. Diário de trabalho. Vol. I. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

HEGEL, G.W.F. Cursos de estética (Vol. II). São Paulo: Edusp, 2000.

JAMESON, Fredric. O método Brecht. Petrópolis: Vozes, 1999.

MARX, Karl. Para a crítica da economia política (Col. Os pensadores). São Paulo: Abril Cultural, 1978.

PASTA JR., José Antonio. Trabalho de Brecht – Breve introdução ao estudo de uma classicidade contemporânea. São Paulo: Ática, 1986.

ROSENFELD, Anatol. Teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 2006.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Zanetti, A. (2018). Boal, leitor de Brecht: uma questão de método. Sala Preta, 18(1), 98-108. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v18i1p98-108
Seção
BRASIL