Performar o outro: o reenactment como dispositivo de experiências imersivas

  • Julia Guimarães Mendes Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Espectador, , Reenactment, Teatro documentário, Participação, Dispositivo cênico.

Resumo

Este artigo investiga potencialidades artísticas e políticas de criações contemporâneas construídas sob a forma de reenactments documentais. O termo compreende espetáculos que convidam os espectadores a refazerem ações de pessoas previamente documentadas, a partir de dispositivos poéticos e tecnológicos específicos. Para desenvolver a análise, parto da minha própria experiência como pesquisadora-participante de obras criadas pelo diretor catalão Roger Bernat e pelo coletivo suíço-alemão Rimini Protokoll. A partir do diálogo com o conceito de dispositivo cênico (SÁNCHEZ, 2016; CORNAGO, 2015) exploro a hipótese de que a experiência imersiva de “performar o outro” colabora para problematizar e dilatar temporalmente a percepção do público sobre os contextos documentais abordados. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Guimarães Mendes, Universidade de São Paulo (USP)
Doutoranda no PPG em Artes Cênicas da ECA-USP.

Referências

BERNAT, R. Numax-Fagor-Plus (show) (2013). Site de Roger Bernat. Disponível em: http://rogerbernat.info/en-gira/numax-fagor-plus/ Acesso em: 2 nov. 2016.

BOAL, A. Jogos para atores e não atores. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

BOURRIAUD, N. Estética relacional. São Paulo: Martins, 2009.

BRECHT, B. Estudos sobre teatro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

CORNAGO, O. Ensayos de teoría escénica: sobre teatralidad, público y democracia. Madrid: Abada, 2015.

DELEUZE, G. ¿Que és un dispositivo?. In: ______. Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1990. p. 155-161.

FÉRAL, J. Le réel à l’épreuve du théâtre. In: ______. Théorie et pratique du théâtre. Au-delà des limites. Paris: L’Entretemps, 2011. p. 139-160.

FÉRAL, J; PERROT, E. De la présence aux effets de présence. Écarts et enjeux in FÉRAL, J. (Org.). Pratiques performatives. Montreal: Body Remix; Rennes: Presses de l’Université du Québec; Presses universitaires de Rennes, 2012. p. 11-26.

GOFFMAN. E. A representação eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1985.

GUIMARÃES, J. Cotidiano e imersão no teatro de Roger Bernat: a linguagem cênica reinventada. ARJ - Art Research Journal, s.l., v. 3, n. 1, p. 182-193, maio 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/8289>. Acesso em: 3 jun. 2017.

HEINICH, N. Práticas da arte contemporânea: uma abordagem pragmática a um novo paradigma artístico. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 351-372, out. 2014.

LEHMANN, H.-T. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

KEMPF, L.; MOGUILEVSKAIA, T. (Org.). Le théâtre neo-documentaire: résurgence ou réinvention?. Nancy: Presses Universitaires de Lorraine, 2013.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

SÁNCHEZ, J. A. Dispositivos poéticos III. Parataxis 2.0, 2016. Disponível em: <https://parataxis20.wordpress.com/>. Acesso em: 4 nov. 2016.

_________. Teatralidad y disidencia. In: SÁNCHEZ, José A.; BELVIS, Esther (Orgs.). No hay más poesía que la acción: teatralidades expandidas y repertorios disidentes. México: Paso de Gato, 2015.

SCHECHNER, R. Performance studies: an introduction. Nova York: Routledge, 2006.

Publicado
2017-07-17
Como Citar
Mendes, J. (2017). Performar o outro: o reenactment como dispositivo de experiências imersivas. Sala Preta, 17(1), 48-64. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i1p39-55
Seção
EM PAUTA