Dramaturgismo: movimentos do olhar – pensamento crítico em processo de criação artística

  • Antonio Luiz Gonçalves Junior Escola de Comunicação e Artes - Universidade de São Paulo (ECA-USP)
Palavras-chave: Dramaturgista, Teatro contenporâneo, Esfera pública, Processo colaborativo de criação, Arte crítica.

Resumo

Este texto pretende focalizar a dimensão crítica da prática do “dramaturgista” como participante de um processo de criação em um trabalho cênico. Entende-se que a dimensão crítica da atividade do “dramaturgista” pressupõe diferentes movimentos da atenção do olhar que têm por finalidade aguçar a percepção na busca pela consistência da pesquisa artística. Como delineamento inicial, tais movimentos hipotéticos serão expostos a partir do conceito de dialética entre forma formante e forma formada, elaborado pelo filósofo italiano Luigi Pareyson, assim como da perspectiva de Max Horkheimer sobre os fundamentos da Teoria Crítica da Sociedade e do ponto de vista do “dramaturgista” como espectador, capaz de lançar um olhar estético-crítico autônomo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Luiz Gonçalves Junior, Escola de Comunicação e Artes - Universidade de São Paulo (ECA-USP)

Doutorando do PPG em Artes Cênicas da ECA-USP

 

Referências

ABDO, S. Sobre o problema da autonomia da arte e suas implicações hermenêuticas e ontológicas. Kriterion, Belo Horizonte, v. 46, n. 112, p. 357-366, dez. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2005000200018&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 mar. 2017.

ADORNO, T. Teoria estética. Lisboa: Edições 70, 2008.

BLEEKER, M. Thinking no-one’s thought. In: HANSEN, P.; CALLISSON, D. (Eds.). Dance dramaturgy: modes of agency, awareness and engagement. London; New York: Palgrave Macmillan, 2015.

DUFRENNE, M. The phenomenology of aesthetic experience. Evanston: Northwestern University Press, 1973.

FOSTER, H. O retorno do real. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

HORKHEIMER, M. Teoria tradicional e teoria crítica. Coleção Os Pensadores. Textos escolhidos. v. XLVIII. São Paulo: Abril Cultural, 1975.

KAYE, N. Site-Specific art: performance, place and documentarion. London: Routledge, 2006.

KWON, M. Um lugar após o outro: anotações sobre site-specificity. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro. EBA-UFRJ,, ano XV, n. 17, p. 166-187, dez. 2008. Disponível em: <https://vmutante.files.wordpress.com/2014/08/7-kwon-miwon-um-lugar-apc3b3s-o-outro-em-portugues-artigo-imprimir.pdf>. Acesso em: 28 mar. 2017.

NOBRE, M. A teoria crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

PAREYSON, L. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

RANCIÈRE, J. Será que a arte resiste a alguma coisa? In: LINS, D. (Org.). Nietszche/Deleuze: arte, resistência. Rio de Janeiro: Forense Universitária; Fortaleza: FCET, 2007.

SAADI, F. Dramaturgia / dramaturgista. In: NORA, S. (Org.). Temas para a dança brasileira. São Paulo: SESC-SP, 2010. p. 101-127.

SAFATLE, V. P. O novo tonalismo e o esgotamento da forma crítica como valor estético. In: SAFATLE, V.; DUARTE, R. (Orgs.). Ensaios sobre música e filosofia. São Paulo: Humanitas, 2007. p. 56-89.

TERRA, R.; REPA, L. Teoria crítica: introdução. Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. 62, p. 245-248, ago. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-49792011000200001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 mar. 2017.

Publicado
2017-07-17
Como Citar
Gonçalves Junior, A. (2017). Dramaturgismo: movimentos do olhar – pensamento crítico em processo de criação artística. Sala Preta, 17(1), 123-139. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i1p114-130
Seção
EM PAUTA