O quadro de Leyden – Uma reflexão sobre a ideia de encenação em Artaud

Palavras-chave: Artaud, encenação, texto e cena

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão acerca das ideias sobre encenação e sua relação com o texto dramático na obra de Antonin Artaud, a partir de seu olhar sobre o quadro As filhas de Loth de Lucas van den Leyden. Tendo como referencial as atuais discussões a respeito da teatralidade e dos postulados pós-dramáticos, o artigo também propõe um apontamento sobre o quanto o teatro contemporâneo é tributário do legado artaudiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

René Marcelo Piazentin Amado, Universidade de São Paulo

Doutor em Artes Cênicas pela Escola de Comunicações
e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP)

Referências

ARTAUD, Antonin. O teatro e seu duplo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ARTAUD, Antonin. Linguagem e vida. São Paulo: Perspectiva, 2008.

ARTAUD, Antonin. O pesa-nervos. Lisboa: Hiena Editora, 1991.

BARTHES, Roland. Ouvrès completes. Paris: Seuil, 2002, vol II.

QUILICI, Cassiano Sydow. Artaud: teatro e ritual. São Paulo: Annablume, 2004.

ROUBINE, Jean Jacques. A linguagem da encenação teatral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1982.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Amado, R. M. (2018). O quadro de Leyden – Uma reflexão sobre a ideia de encenação em Artaud. Sala Preta, 18(1), 246-257. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v18i1p246-257
Seção
TEORIA