O ilustre Sr. Pirandello pegou o trem na Central do Brasil

  • Alessandra Vannucci Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola de Comunicação
Palavras-chave: Modernismo, Formação de plateia, Intelectuais no Brasil

Resumo

A passagem da Companhia Theatro d’Arte pelos palcos brasileiros, no triênio (1925-1928) em que Pirandello assumiu sua direção, provocou um debate rico de contaminações e polêmicas que perseveraram muito além do modernismo, acompanhando a fama do italiano ao longo da modernização do teatro no Brasil. Este ensaio enfoca a saída do literato do recinto das letras para entrar na arena do espetáculo, coincidindo com a sua empreitada latino-americana. Similarmente a outros ilustres viajantes, como Marinetti, que visitou o Brasil no ano anterior, em 1926, suas palestras e entrevistas (especialmente a que concedeu ao jovem Sérgio Buarque de Holanda) deram ocasião para percepções especulares do processo cultural brasileiro, cujo imaginário se definia também por contágio do olhar dos viajantes. A pesquisa contribui para a agenda de eventos em homenagem ao 150º aniversário do nascimento do autor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Vannucci, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola de Comunicação
Diretora e Dramaturga, doutora em Letras na PUC-Rio, docente em Direçao Teatral na ECO-UFRJ e de Processos Criativos no PPGAC-UFRJ

Referências

A COMPANHIA Jaime Costa representou “cosi é… se vi pare”, em homenagem a Luigi Pirandello. Folha da Manhã, São Paulo, 8 set. 1927. n. 833, p. 9

A CONFERÊNCIA do dr. Menotti Del Picchia no Municipal. Correio Paulistano, São Paulo, 17 fev. 1922. n. 21058, p. 2.

ALVARO, C. Introdução. In: PIRANDELLO, L. Novelle per un anno. Milano: Mondadori, 1956.

ANDRADE, O. Anunciação de Pirandello. Correio Paulistano, São Paulo, 29 jun. 1923. n. 21542, p. 3.

BARRETO, L. Transatlantismo. Careta, Rio de Janeiro, ano XV, n. 733, 8 jul.1922

BOPP, R. Movimentos modernistas no Brasil. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1966.

CAMPOS, C. Os rumos da cidade. Urbanismo e modernização em São Paulo. São Paulo: Senac, 2002.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 1997.

DE LARA, C. De Pirandello a Piolim. Alcântara Machado e o teatro no modernismo. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura, 1987.

HELLYESSE. Sete dias de theatro. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 11 set. 1927. n. 10018, p. 15.

HOLANDA, S. B. O futurismo paulista. Revista Fon-Fon, Rio de Janeiro, n. 50, 10 dez. 1921.

______. Conversando com Pirandello. O Estado de São Paulo, São Paulo, 31 dez. 1988. p. 46.

MOTTA FILHO, C. Introdução. In: PIRANDELLO, L. Novelas escolhidas. São Paulo: [s.n.], 1925.

PICCHIA, M. Da esthetica. Seremos plagiarios? Correio Paulistano, São Paulo, 10 abr. 1920. n. 20391, p. 1.

PIRANDELLO, L. Do teatro no teatro. Organização Jacó Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2009

RODRIGUES, N. A menina sem estrelas. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARTZ, J. Vanguardas latino-americanas: polêmicas manifestos e textos críticos. São Paulo: Edusp, 1995.

TEMPORADA Pirandello, no Municipal. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 16 set. 1927. n. 10022, p. 5.

Publicado
2017-12-26
Como Citar
Vannucci, A. (2017). O ilustre Sr. Pirandello pegou o trem na Central do Brasil. Sala Preta, 17(2), 289-303. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i2p289-303
Seção
SALA ABERTA