Crônica de um Fracasso Anunciado: representação, ética e estética na (meta)crítica da razão branca

  • Artur Sartori Kon Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Teatro contemporâneo, Teatro paulistano, Estética e política, Teatro pós-dramático, Ética e estética

Resumo

Partindo de uma investigação conjunta do espetáculo Branco: o cheiro do lírio e do formol e das diversas críticas escritas sobre ele por ocasião de sua estreia e temporada paulistana, o ensaio busca refletir sobre o possível sentido político de um teatro contemporâneo entendido como pós-dramático, localizando-o num regime estético da arte (em oposição aos regimes representativo e ético, como propõe o filósofo Jacques Rancière).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Artur Sartori Kon, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Doutorando em Filosofia na linha Estética e filosofia da arte pela FFLCH - USP. Bacharel em Artes Cênicas - Interpretação Teatral pela Unicamp.

Referências

AHMED, S. Declarations of whiteness: the non-performativity of anti-racism. Borderlands: e-journal, New South Wales, v. 3, n. 2, 2004a. Disponível em: <https://goo.gl/Mquq5x>. Acesso em: 14 nov. 2017.

______. The non-performativity of anti-racism. In: COLLOQUIUM TEXT AND TERRAIN: LEGAL STUDIES IN GENDER AND SEXUALITY, 1., 2004, Kent. Proceedings… Kent: University of Kent, 2004b. p. 1-12 Disponível em: <https://goo.gl/Zvz6PZ>. Acesso em: 14 nov. 2017.

______. A phenomenology of whiteness. Feminist Theory, Thousand Oaks, v. 8, n. 2, p. 149-168, 2007.

ALVES JÚNIOR, D. Branco: o cheiro do lírio e do formol. Veja São Paulo, São Paulo, 2017. Resenha. Disponível em: <https://goo.gl/GmM4zs>. Acesso em: 14 nov. 2017.

BAILES, S. J. Performance theatre and the poetics of failure: Forced Entertainment, Goat Island, Elevator Repair Service. Londres; Nova York: Routledge, 2011.

BOURRIAUD, N. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BÜRGER, P. Teoria da vanguarda. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

DAL FARRA, A. Por um teatro que coloque o mal em cena. Revista Cult, São Paulo, 15 maio 2017. Disponível em: <https://goo.gl/LdnP7u>. Acesso em: 14 nov. 2017.

FERÁL, J. Por uma poética da performatividade: o teatro performativo. Sala Preta, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 197-210, 2008.

FISCHER-LICHTE, E. The transformative power of performance: a new aesthetics. Abingdon: Routledge, 2008.

GARCIA, V. Branco: a encenação da violência e a estética colonizadora. Blog da Coletiva Vulva da Vovó, São Paulo, 8 abr. 2017. Disponível em: <https://goo.gl/NSXt7e>. Acesso em: 20 set. 2017.

HAMACHER, W. Aformativo, greve: a “crítica da violência” de Benjamin. In: BENJAMIN, A.; OSBORNE, P. (Orgs.). A filosofia de Walter Benjamin. Rio de Janeiro: Zahar, 1997. p. 122-148.

KON, A. S. Da teatrocracia: estética e política do teatro paulistano contemporâneo. São Paulo: Annablume, 2017.

LEHMANN, H.-T. Teatro pós-dramático. 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

LORDE, A. The master's tools will never dismantle the master's house. In: ______. Sister outsider: essays and speeches. Berkeley: Crossing Press, 2007. p. 110-113.

MENEZES, M. E. Análise: peça “Branco: o cheiro do lírio e do formol” não pode ser reduzida a passionalidades. Estadão, São Paulo, 15 maio 2017. Disponível em: <https://goo.gl/ifaiop>. Acesso em: 14 nov. 2017.

MILLS, C. W. The racial contract. Ithaca: Cornell University Press, 1997.

OLIVEIRA, D. Crítica: o formol e o teatro do opressor na peça Branco. Blog do Arcanjo, São Paulo, 2 maio 2017. Disponível em: <https://goo.gl/AtvHCR>. Acesso em: 14 nov. 2017.

PISCITELLI, K. Crítica: divã de privilegiados não funciona bem em “Branco”. Aplauso Brasil, São Paulo, 15 abr. 2017. Disponível em: <https://goo.gl/qkugCy>. Acesso em: 14 nov. 2017.

PRADO, M. A. Racista confesso e sem remorso. 4ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MITsp), São Paulo, 20 mar. 2017. Disponível em: <https://goo.gl/o53h6W>. Acesso em: 14 nov. 2017.

RAMOS, L. F. O racismo de cada um e os riscos de enfrentá-lo. Centro Cultural São Paulo, São Paulo, 2 maio 2017. Disponível em: <https://goo.gl/2g5BWH>. Acesso em: 14 nov. 2017.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO Experimental; Editora 34, 2005.

RIBEIRO, S. Crítica: não estar é a única forma de presença de negros – e a culpa não é nossa. Blog do Arcanjo, São Paulo, 9 maio 2017. Disponível em: <https://goo.gl/fiCsmz>. Acesso em: 14 nov. 2017.

ROLIM, M. Onde você guardou o seu racismo. 4ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MITsp), São Paulo, 18 mar. 2017. Disponível em: <https://goo.gl/t7TJv1>. Acesso em: 14 nov. 2017.

ROMAGNOLLI, Luciana. Branca é a ausência, negra é a exclusão. Horizonte da Cena, Belo Horizonte, 4 abr. 2017. Disponível em: <https://goo.gl/iQdmiG>. Acesso em: 14 nov. 2017.

SAISON, M. Les théâtres du réel: pratiques de la représentation dans le théâtre contemporain. Paris; Montréal: L’Harmattan, 1998.

SÁNCHEZ, J. Prácticas de lo real en la escena contemporánea. Madrid: Visor, 2007.

SCHUCMAN, L. V. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. 2012. 122 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

Publicado
2017-12-26
Como Citar
Kon, A. (2017). Crônica de um Fracasso Anunciado: representação, ética e estética na (meta)crítica da razão branca. Sala Preta, 17(2), 371-386. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i2p371-386
Seção
DOSSIÊ BRANCO