O que existe de permanente no reino do efêmero – os arquivos pessoais e o patrimônio documental do teatro

  • Fabiana Siqueira Fontana
Palavras-chave: Arquivos pessoais, Teatro brasileiro, Patrimônio documental

Resumo

A especificidade do patrimônio documental do teatro vem sendo tratada a partir da articulação da efemeridade como centro do debate sobre sua preservação. A ideia parte da adoção do espetáculo na distinção do teatro enquanto expressão estética. Este artigo pretende questionar tal acepção, pois se acredita que o critério que serve para singularizar o teatro como arte não o encerra como campo de estudo, principalmente se analisado numa perspectiva histórico-social. Por meio desta, é possível identificar no interior do teatro práticas que perduram no tempo. O trabalho tem origem no envolvimento da autora com a organização de arquivos pessoais no Centro de Documentação e Informação da Fundação Nacional das Artes (Cedoc/Funarte) e se apoia naquilo que é possível identificar como recorrente na constituição de conjuntos documentais dessa natureza para tratar dos registros do teatro para além da sua concepção como vestígios da cena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVAREZ, J. C. Apresentação. In: ______. Museu nacional de teatro: roteiro. Lisboa: Instituto Português de Museus, 2005. p. 5-8.

AZEVEDO, E. R. Encontro da memória. Subtexto, Belo Horizonte, n. 9, ano XIV, p. 17-24, dez. 2012.

BALME, C. Histórias globais do teatro: modernização, esferas públicas e redes teatrais transnacionais. In: WERNECK, M. H.; REIS, A. C. (Orgs.). Rotas de teatro: entre Portugal e Brasil. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012. p. 203-219.

BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

BIET, C.; TRIAU, C. Qu’est-ce que le théâtre? Paris: Gallimard, 2006.

BRANDÃO, T. A máquina de repetir e a fábrica de estrelas: Teatro dos Sete. Rio de Janeiro: 7Letras, 2002.

______. Teatro brasileiro do século 20: origens e descobertas, vertiginosas oscilações. Revista do Patrimônio, n. 29, 2001.

CAMARGO, A. R. Por um Serviço Nacional de Teatro: debates, projetos e o amparo oficial ao teatro no Brasil (1946-1964). 2017. 397 f. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2017.

______. A política dos palcos: teatro no primeiro governo Vargas (1930-1945). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

CARVALHO, M. D. A constituição de coleções especializadas em artes cênicas: do imaterial ao documental. 2009. 160 f. Dissertação (Mestrado em Cultura e Informação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

DIÉGUEZ, I. Um teatro sem teatro: a teatralidade como campo expandido. Sala Preta, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 125-129, 2014. Disponível em: <https://goo.gl/KHCpdt>. Acesso em: 11 maio 2017.

FÉRAL, J. A Fabricação do Teatro: questões e paradoxos. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 566-581, maio/ago. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/nSpSwq>. Acesso em: 24 ago. 2017.

______. Por uma poética da performatividade: o teatro performativo. Sala Preta, São Paulo, v. 8, p. 197-210, 2008. Disponível em: <https://goo.gl/Nv7nze>. Acesso em: 9 jul. 2017.

FONTANA, F. S. O Teatro do Estudante do Brasil de Paschoal Carlos Magno. Rio de Janeiro: Funarte, 2016.

______. “Caro Paschoal” – A correspondência como fonte de análise das transformações ocorridas no campo do amadorismo teatral a partir dos anos 1930. In: OLIVEIRA, L. M. V.; VASCONCELLOS, E. (Orgs.). Arquivos pessoais e cultura: uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2015. p. 45-58.

FUNARTE. Arquivos e coleções privados Cedoc/Funarte: guia geral. Rio de Janeiro: Funarte, 2016. Disponível em: <https://goo.gl/WpKoKc>. Acesso em: 14 set. 2017.

GITEAU, C. Une centrale documentaire au service des praticiens du théâtre et de la recherche: d’Auguste Rondel à aujourd’hui. In: THOMASSEAU, J.-M. Le théâtre au plus près: pour André Veinstein. Saint-Denis: Presses Universitaires de Vincennes, 2005. p. 239-262.

GRÉSILLON, A.; MERVANT-ROUX, M.-M.; BUDOR, D. Por uma genética teatral: premissas e desafios. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 379-403, maio/ago. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/Q6ZR4v>. Acesso em: 20 ago. 2017.

LEHMANN, H.-T. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

LIMA, A. L. A produção teatral carioca: história, exemplos e experiências. 2014. 191 f. Dissertação (Mestrado em História Política e Bens Culturais) – Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2014.

METZLER, M. O registro do futuro e as potências do impossível: da divulgação ao documento, a fotografia no estudo da atriz Alda Garrido. In: WERNECK, M. H.; BRILHANTE, M. J. Texto e imagem: estudos de teatro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009. p. 245-263.

PAVIS, P. O teatro no cruzamento de culturas. São Paulo: Perspectiva, 2008.

______. Dicionário de teatro. São Paulo: Perspectiva, 1999.

PICON-VALLIN, B. Um museu para o Teatro. Pitágoras 500, Campinas, v. 2, n. 2, p. 115-127, jul./dez. 2012. Disponível em: <https://goo.gl/fW9KAv>. Acesso em: 10 jul. 2017.

SAVONA, F. Traitement documentaire d’un fond théâtre multisupport: la Bibliothèque-Musée de la Comédie-Française. In: DUQUENE, I. et al. Patrimoines insolites: théâtre, opéra, écrits savants et autres fers à dorer. Villeurbanne: Éditions de l’enssib, 2004. p. 53-93.

WALLON, E. Sources et ressources pour le spectacle vivant: rapport au Ministre de la Culture et de la Communication. Paris: Ministère de la Culture et de la Communication, févr. 2006. Tome I. Disponível em: <https://goo.gl/ZVRHEh>. Acesso em: 18 ago. 2017.

ZAVADSKI, C. La singularité du travail: métiers et competénces du spectacle vivant. Théâtre Public, Paris, n. 217, p. 49-53, juil./sept. 2015.

Publicado
2017-12-26
Como Citar
Fontana, F. (2017). O que existe de permanente no reino do efêmero – os arquivos pessoais e o patrimônio documental do teatro. Sala Preta, 17(2), 11-25. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i2p11-25
Seção
EM PAUTA