Portal da USP Portal da USP Portal da USP

O que existe de permanente no reino do efêmero – os arquivos pessoais e o patrimônio documental do teatro

Fabiana Siqueira Fontana

Resumo


A especificidade do patrimônio documental do teatro vem sendo tratada a partir da articulação da efemeridade como centro do debate sobre sua preservação. A ideia parte da adoção do espetáculo na distinção do teatro enquanto expressão estética. Este artigo pretende questionar tal acepção, pois se acredita que o critério que serve para singularizar o teatro como arte não o encerra como campo de estudo, principalmente se analisado numa perspectiva histórico-social. Por meio desta, é possível identificar no interior do teatro práticas que perduram no tempo. O trabalho tem origem no envolvimento da autora com a organização de arquivos pessoais no Centro de Documentação e Informação da Fundação Nacional das Artes (Cedoc/Funarte) e se apoia naquilo que é possível identificar como recorrente na constituição de conjuntos documentais dessa natureza para tratar dos registros do teatro para além da sua concepção como vestígios da cena.


Palavras-chave


Arquivos pessoais, Teatro brasileiro, Patrimônio documental

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, J. C. Apresentação. In: ______. Museu nacional de teatro: roteiro. Lisboa: Instituto Português de Museus, 2005. p. 5-8.

AZEVEDO, E. R. Encontro da memória. Subtexto, Belo Horizonte, n. 9, ano XIV, p. 17-24, dez. 2012.

BALME, C. Histórias globais do teatro: modernização, esferas públicas e redes teatrais transnacionais. In: WERNECK, M. H.; REIS, A. C. (Orgs.). Rotas de teatro: entre Portugal e Brasil. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012. p. 203-219.

BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

BIET, C.; TRIAU, C. Qu’est-ce que le théâtre? Paris: Gallimard, 2006.

BRANDÃO, T. A máquina de repetir e a fábrica de estrelas: Teatro dos Sete. Rio de Janeiro: 7Letras, 2002.

______. Teatro brasileiro do século 20: origens e descobertas, vertiginosas oscilações. Revista do Patrimônio, n. 29, 2001.

CAMARGO, A. R. Por um Serviço Nacional de Teatro: debates, projetos e o amparo oficial ao teatro no Brasil (1946-1964). 2017. 397 f. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2017.

______. A política dos palcos: teatro no primeiro governo Vargas (1930-1945). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

CARVALHO, M. D. A constituição de coleções especializadas em artes cênicas: do imaterial ao documental. 2009. 160 f. Dissertação (Mestrado em Cultura e Informação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

DIÉGUEZ, I. Um teatro sem teatro: a teatralidade como campo expandido. Sala Preta, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 125-129, 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2017.

FÉRAL, J. A Fabricação do Teatro: questões e paradoxos. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 566-581, maio/ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2017.

______. Por uma poética da performatividade: o teatro performativo. Sala Preta, São Paulo, v. 8, p. 197-210, 2008. Disponível em: . Acesso em: 9 jul. 2017.

FONTANA, F. S. O Teatro do Estudante do Brasil de Paschoal Carlos Magno. Rio de Janeiro: Funarte, 2016.

______. “Caro Paschoal” – A correspondência como fonte de análise das transformações ocorridas no campo do amadorismo teatral a partir dos anos 1930. In: OLIVEIRA, L. M. V.; VASCONCELLOS, E. (Orgs.). Arquivos pessoais e cultura: uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2015. p. 45-58.

FUNARTE. Arquivos e coleções privados Cedoc/Funarte: guia geral. Rio de Janeiro: Funarte, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2017.

GITEAU, C. Une centrale documentaire au service des praticiens du théâtre et de la recherche: d’Auguste Rondel à aujourd’hui. In: THOMASSEAU, J.-M. Le théâtre au plus près: pour André Veinstein. Saint-Denis: Presses Universitaires de Vincennes, 2005. p. 239-262.

GRÉSILLON, A.; MERVANT-ROUX, M.-M.; BUDOR, D. Por uma genética teatral: premissas e desafios. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 3, n. 2, p. 379-403, maio/ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2017.

LEHMANN, H.-T. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

LIMA, A. L. A produção teatral carioca: história, exemplos e experiências. 2014. 191 f. Dissertação (Mestrado em História Política e Bens Culturais) – Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2014.

METZLER, M. O registro do futuro e as potências do impossível: da divulgação ao documento, a fotografia no estudo da atriz Alda Garrido. In: WERNECK, M. H.; BRILHANTE, M. J. Texto e imagem: estudos de teatro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009. p. 245-263.

PAVIS, P. O teatro no cruzamento de culturas. São Paulo: Perspectiva, 2008.

______. Dicionário de teatro. São Paulo: Perspectiva, 1999.

PICON-VALLIN, B. Um museu para o Teatro. Pitágoras 500, Campinas, v. 2, n. 2, p. 115-127, jul./dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

SAVONA, F. Traitement documentaire d’un fond théâtre multisupport: la Bibliothèque-Musée de la Comédie-Française. In: DUQUENE, I. et al. Patrimoines insolites: théâtre, opéra, écrits savants et autres fers à dorer. Villeurbanne: Éditions de l’enssib, 2004. p. 53-93.

WALLON, E. Sources et ressources pour le spectacle vivant: rapport au Ministre de la Culture et de la Communication. Paris: Ministère de la Culture et de la Communication, févr. 2006. Tome I. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2017.

ZAVADSKI, C. La singularité du travail: métiers et competénces du spectacle vivant. Théâtre Public, Paris, n. 217, p. 49-53, juil./sept. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i2p11-25

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.