Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Máscaras de uma branquitude consagrada: expor é profanar?

Stephan Arnulf Baumgärtel, Jucca Rodrigues

Resumo


O artigo parte de uma análise do jogo retórico de máscaras de uma branquitude brasileira consagrada para revelar, na obra Branco de Alexandre Dal Farra, um problemático resíduo sagrado no gesto de profanação dessa branquitude. Discute a realização de um lugar de escuta do branco nas diversas camadas ficcionais e não ficcionais do texto, em relação à autoexigência da peça de que o branco não pode se esquivar de responder à acusação racista. Debatemos como essa preocupação da peça de fato desloca seu cerne temático do racismo para o problema de “falar por”. Detectamos e discutimos como força formadora da estrutura e do enunciado do texto uma atitude que expõe mais do que profana o núcleo sagrado da branquitude. Dessa maneira, apesar do gesto de autossacrifício das figuras brancas, o texto apresenta uma estrutura que não comunica para além do próprio branco, o que perante o contexto de sua estreia num festival dedicado ao protagonismo negro e pelo significativo lastro histórico do problema do racismo revela um contraditório resíduo que inverte o gesto político da obra.


Palavras-chave


Dramaturgia brasileira, Identidade, Lugar de fala, Racismo

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Elogio da profanação. Tradução Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.

ALCOFF, L. M. The problem of speaking for others. Cultural Critique, Minnesota, n. 20, p. 5-32, 1992.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução Paulo Bezerra. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

DAL FARRA, A. Branco: o cheiro do lírio e do formol. São Paulo, 2017. Roteiro.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Tradução Renato Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

HALBERSTAM, J. The wild beyond: with and for the undercommons. In: HARNEY, S.; MOTEN, F. The undercommons: fugitive planning and Black Study. Wivenhort; New York; Port Watson: Minor Compositions, 2013. p. 2-13.

HARNEY, S.; MOTEN, F. The undercommons: fugitive planning and Black Study. Wivenhort; New York; Port Watson: Minor Compositions, 2013.

OLIVEIRA, D. Crítica: o formol e o teatro do opressor na peça Branco. Blog do Arcanjo, São Paulo, 2 maio 2017. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2017.

PRADO, M. A. Crítica: Branco é um espetáculo racista confesso e sem remorsos. Blog do Arcanjo, São Paulo, 20 mar. 2017. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2017.

RIBEIRO, S. Crítica: não estar é a única forma de presença dos negros – e a culpa não é nossa. Blog do Arcanjo, São Paulo, 9 maio 2017. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2017.

SANTOS, A. B. Crítica: lírio e formol, espetáculo Branco vomita branco e é um desserviço. Blog do Arcanjo, São Paulo, 6 maio 2017. Disponível em; . Acesso em: 16 nov. 2017.

SPIVAK, G. C. Can the subaltern speak? In: NELSON, C.; GROSSBERG, L. (Eds.). Marxism and the interpretation of culture. Chicago: University of Illinois Press, 1988. p. 271-313.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i2p345-370

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.