Entre fragmentos, o fundo Branco

  • Vinicius Torres Machado Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Palavras-chave: Racismo, Teatralidade, Fragmentação, Performatividade

Resumo

O texto procura abordar como o espetáculo Branco: o cheiro do lírio e do formol traz para a sua estrutura formal as marcas e cicatrizes do embate social gerado durante a sua produção e subsequentes apresentações. Desta maneira, as fissuras, as fragmentações, as tentativas de elucidação do discurso passaram a ser testemunhas formais de um momento histórico no debate sobre o racismo em São Paulo. Por ser este artigo uma reverberação do espetáculo, procurou-se debater essas questões também na forma do texto apresentado para tentar refletir na escrita as questões teatrais discutidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Torres Machado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Vinicius Torres Machado é professor de atuação e performance na Universidade Júlio Mesquita Filo - UNESP - Instituto de Artes, DACEFC.  Doutor pela Universidade de São Paulo (2014), sua pesquisa tem como foco a materialidade da cena  e a possibilidade de construções intensivas entre os elementos. Sua produção artística como diretor e dramaturgo inclui:  “ A Porta” (2009),  “Anonimo” (2012), ”Saudade” (2013), “Aporia” (2015) , “O mais simples seria não começar” (2014) e “Romeo et Juliett”  da ópera de Charles Gounod (2011).
Publicado
2017-12-26
Como Citar
Machado, V. (2017). Entre fragmentos, o fundo Branco. Sala Preta, 17(2), 421-429. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i2p421-429
Seção
DOSSIÊ BRANCO