A distância (in)correta

  • Janaina Fontes Leite Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
Palavras-chave: Real, Referente, Abjeção

Resumo

“Ele escreveu uma peça sobre negros” era o título explosivo do projeto inicial do dramaturgo e diretor Alexandre Dal Farra que deu origem à longa jornada do espetáculo que é tema deste texto. Mas diferentemente do que se pode tomar em uma abordagem inicial demasiadamente reativa, o título, intencionalmente, já colocava seu próprio projeto sob suspeita. Quem é esse “ele” que se arroga tal posição? Certamente um “ele” que se distingue de seu “objeto” – esse genérico e autoritário “negros” que termina a frase. De certa forma, sem que tivéssemos a menor ideia de onde o projeto nos levaria, já estávamos no encalço desse “branco” que figuraria no título definitivo do espetáculo que estreou em março de 2017 em São Paulo: Branco: o cheiro do lírio e do formol. Este artigo procura retomar alguns fios do processo relacionando-os à ideia de “distância correta” proposta por Hal Foster em seu texto “O artista como etnógrafo”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaina Fontes Leite, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
Departamento de Artes Cênicas - Teoria e Prática do Teatro

Referências

DAL FARRA, A. Passeio por propriedades. 2016.

______. Branco: o cheiro do lírio e do formol. 2017.

FOSTER, H. O retorno do real: a vanguarda no final do século XX. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

Publicado
2017-12-26
Como Citar
Leite, J. (2017). A distância (in)correta. Sala Preta, 17(2), 333-344. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i2p333-344
Seção
DOSSIÊ BRANCO