Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Coletividade e destruição: relato de um processo

Alexandre Ferreira Dal Farra Martins

Resumo


O autor Alexandre Dal Farra procura entender o processo de criação de Branco: o cheiro do lírio e do formol a partir de um olhar sobre as possibilidades que o trabalho, a partir de uma postura destrutiva, oferece em termos de uma criação coletiva – ainda que com funções claramente determinadas. O impulso destrutivo ou profanatório aparece como possibilidade de ação fraterna e capaz de unir.

Palavras-chave


Destrutividade, Coletividade, Teatro Aformativo

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

BENJAMIN, W. Escritos sobre mito e linguagem. São Paulo: Editora 34, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v17i2p318-332

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.