Teatro expandido em contexto brasileiro

  • Sílvia Fernandes Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes
Palavras-chave: Giro social da arte, estética e política, Lia Rodrigues

Resumo

O texto trata da retomada do ativismo nas instâncias da arte contextual (Paul Ardenne) e relacional (Nicolas Bourriaud), que se reflete na aproximação das artes cênicas com a política. Claire Bishop considera a tendência um “giro social” da arte, que localiza no final do século XX e detecta na postura social, característica dos criadores, e na rejeição à estética e à formalização, substituídas por intervenções decididamente ligadas ao trabalho em comunidades e à atuação em frentes próximas ao trabalho social. Na tentativa de reabilitar a ideia de estética em conexão com a política, Bishop recorre ao filósofo Jacques Rancière e a suas concepções de “partilha do sensível” e “regime estético da arte”. A partir desses pressupostos, analisa-se o trabalho da artista Lia Rodrigues e sua relação com a comunidade da Maré.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvia Fernandes, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes

Professora titular do PPG em Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP)

Referências

ARDENNE, Paul. Un art contextuel. Paris: Flammarion, 2004.

BERNARDET, Jean-Claude. “O processo como obra”. Folha de S. Paulo – Caderno Mais, 13 de julho de 2003.

BIEDERMAN, Iara. “A dança política de Lia Rodrigues”. Folha de S. Paulo – Ilustríssima, 12/03/2017.

BIET, Christian e TRIAU, Christophe. Qu’est-ce que le théâtre? Paris: Gallimard, 2006, p. 838-839.

BISHOP, Claire. Artificial hells. Participatory art and the politics of spectatorship. London/ New York: Verso, 2012.

BISHOP, Claire. Living as form. Socially engaged art from 1991-2011. Cambridge/London: MIT Press, 2012.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. trad. Denise Bottmann. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOURRIAUD, Nicolas. Radicante. Trad. Dorothée de Bruchard. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

CARTER, Paul. The lie of the land. Boston: Faber&Faber, 1996.

CASTRO, Eduardo Viveiros. “O recado da mata”. In KOPENAWA, Davi Kopenawa e ALBERT, Bruce. A queda do céu. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CORNAGO, Oscar. “[Ser uno/ser muchos]. Comunidades sin nombre”. In Ensayos de teoria escénica. Sobre teatralidad, público y democracia. Madrid: Abada Editores, 2015, p. 207.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto,1997.

DELEUZE, Gilles.“Um manifesto de menos”, in DELEUZE, Gilles. Sobre o teatro. trad.Fátima Saadi, Ovídio de Abreu, Roberto Machado, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2010.

DERRIDA, Jacques. Força da lei: o fundamento místico da autoridade. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

DIÉGUEZ, Ileana. “Um teatro sem teatro: a teatralidade como campo expandido”, Sala Preta v.14, n. 2, p. 125-129, 2014.

EIERMANN, André. “El teatro postspectacular”. Telefondo. Revista de Teoria y critica teatral, n. 16, dezembro 2012, p. 1-24.

FABBRINI, Ricardo. “A poética de risco do teatro da Vertigem”. In FERNANDES, Sílvia(org.). Teatro da Vertigem: 25 anos. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018. (no prelo)

FREY, Tales. “Vivência conjunta para sensações dessemelhantes.” eRevista Performatus, Inhumas, ano 6, n.19, jan.2018.

FRIED, Michael. Absorption and theatricality. Painting and beholder in the age of Diderot. Chicago e Londres: The University of Chicago Press,1980.

FRIED, Michael. Art and Objectwood, Chicago e Londres: The University of Chicago Press, 1998.

FRIED, Michael. Contre la théâtralité. Du minimalisme à la photographie contemporaine, Paris: Gallimard, 2007.

FROTA, Gonçalo. “O ritual de Lia Rodrigues para manter o céu lá em cima”. O Público, 13 dezembro 2017.

GALHÓS, Claudia. “Segurar o céu”. Expresso, 8 de dezembro de 2017.

GIRAUD, Véronique. “Lia Rodrigues, Pour que le ciel ne tombe pas”. Naja 21. Le journal des créations du 21e., 2 de julho de 2016.

JACOMINO, Dalen. “Para que o céu não caia em nossas cabeças”, 5 de setembro de 2017 https://www.swissinfo.ch/por/para-que-o-c%C3%A9u-n%C3%A3o-caia-em-nossas-cabe%C3%A7as/43478146

JACQUES, Paola Berenstein. Apologia da deriva. Escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

KATZ, Helena. “Para que o céu não caia guarda a fórmula da dança”. O Estado de S. Paulo, 28 de março de 2017.

KOPENAWA, Davi Kopenawa e ALBERT, Bruce. A queda do céu. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

LEPECKI, André. “Coreopolítica e coreopolícia”. Ilha, v. 13, n. 1, p. 41-60, jan/jun 2012.

LEPECKI, André. “From partaking to initiating: leadingfollowing as dance’s (a-personal) political singularity”, in SIEGMUND, Gerald e HÖLSCHER, Stefan. Dance, politics & co-immunity. Zurich/Berlim: Diaphanes, 2013.

LIMA, Dani. Corpo, política e discurso na dança de Lia Rodrigues. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 2007.

NÉSPOLI, Beth. “Para escutar o som da floresta”. Teatro Jornal, 22 de março de 2017.

PAVLOVA, Adriana. “Passos da Maré para o mundo. Intercâmbios e parcerias marcam o dia a dia da Escola Livre de Dança da Maré” http://redesdamare.org.br/blog/arte-e-cultura/passos-da-mare-para-o-mundo.

PAVLOVA, Adriana.“Encarnado: uma leitura coreopolítica do projeto de Lia Rodrigues na Favela da Maré”. Dança, Salvador, v. 4, n. 2 p. 65-75, jul./dez. 2015.

RANCIÈRE, Jacques. “Le tournant éthique de l’esthétique et de la politique”. in Malaise dans l’esthétique. Paris: Galilée, 2004, p. 145-173.

RANCIÈRE, Jacques. “Paradoxos da arte política”. in O espectador emancipado. trad. Ivone C.Benedetti, São Paulo: Martins Fontes, 2012.

RENAN JR. “Voar e saber cair”. MITsp.org., 18 de março de 2017.

SIEGMUND, Gerald. “Partager l’absence”. in Être ensemble. Figures de la communauté em danse depuis le XX siècle, Paris: Centre National de la danse, 2003.

SILVA, Eliana Sousa. Testemunhos da Maré. Rio de Janeiro: Aeroplano/Faperj, 2012.

SOTER, Sílvia. “Um pé dentro e um pé fora: passos de uma dramaturg”. In NORA, Sigrid (org.), Temas para a dança brasileira, São Paulo: Edições SESC, 2010, p. 147.

TRIAU, Christophe.“L’illusion ludique”. Théâtre Public n.194, 2009, p.33 – 38.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Fernandes, S. (2018). Teatro expandido em contexto brasileiro. Sala Preta, 18(1), 6-34. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v18i1p6-34
Seção
BRASIL