A liminaridade das práticas pedagógicas da cena

dispositivos visuais da arte da performance e a defesa da educação democrática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i2p179-196

Palavras-chave:

Visualidades da cena, Arte da performance, Liminaridade, Educação democrática, Pedagogias da cena

Resumo

Qual o potencial das fronteiras da cena em expor os ditames políticos vigentes no sistema educacional de um país? Que visualidades da cena são interditadas na contemporaneidade? De que modo as censuras vividas na cena teatral transgênera no Brasil do século XXI matizam as normatividades de uma pedagogia antidemocrática de Estado? E, por fim, qual poderia ser o papel da arte da performance na defesa da educação democrática? Este artigo propõe uma reflexão teórica sobre a luta por Direitos Humanos no campo da Educação, desenrolada a partir do olhar sobre os processos recentes de pedagogia teatral e da arte da performance. Com base no texto de Boal (2009), no qual a Estética é qualificada como um Direito Humano, pretendemos levantar nos atributos de liminaridade da arte da performance vetores democráticos que possam subsidiar as práticas pedagógicas da cena. Para tanto, retomamos o conceito de liminar, proveniente da Antropologia Social (TURNER, 1974), e indicamos como sua aproximação ao campo das Artes, por Caballero (2011), promoveu-lhe expansão e sutileza ao sublinhar que a efemeridade do fenômeno cênico liquefaz as tensões políticas em modo de uma pedagogia fronteiriça. Como indicativos críticos do texto, aventamos três proposições de liminaridade da cena: a excentricidade, a ética da coralidade votiva e o pensamento situado. Pretende-se perceber de que maneira esses dispositivos visuais da arte da performance estão no bojo do ataque e da resistência no contexto da defesa da educação democrática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dodi Leal, Universidade de São Paulo

Doutora em Psicologia Social e Licenciada em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (USP). Professora do curso Artes do Corpo em Cena da Universidade Federal do Sul da Bahia

Referências

BOAL, A. A estética do oprimido. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BOURRIAUD, N. Estética relacional. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CABALLERO, I. D. Cenários liminares: teatralidades, performances e política. Tradução de Luis Alberto Alonso e Angela Reis. Uberlândia: EDUFU, 2011.

CABALLERO, I. D. Desmontagem cênica. Rascunhos – Caminhos da Pesquisa em Artes Cênicas, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 5-12. jan-jun 2014.

COSTA, F. S. da. A poética do ser e não ser: procedimentos dramatúrgicos do teatro de animação. São Paulo: Edusp, 2016.

GUMBRECHT, H. U. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto: EdPUC-Rio, 2010.

LARROSA, J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Tradução de Alfredo Veiga-Neto. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

LEAL, D. Performatividade transgênera: equações poéticas de reconhecimento recíproco na recepção teatral. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

PAVIS, P. Dicionário da performance e do teatro contemporâneo. Tradução de Jacó Guinsburg, Marcio Honório de Godoy e Adriano C. A e Sousa. São Paulo: Perspectiva, 2017.

TURNER, V. O processo ritual: estrutura e anti-estrutura. Tradução de Nancy Campi de Castro. Petrópolis: Vozes, 1974.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Como Citar

Leal, D. (2019). A liminaridade das práticas pedagógicas da cena: dispositivos visuais da arte da performance e a defesa da educação democrática. Sala Preta, 19(2), 179-196. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i2p179-196

Edição

Seção

SALA ABERTA