Manoel Barbosa

performance, ansiedade e geografia colonial

Autores

  • Cláudia Madeira Universidade Nova de Lisboa
  • Fernando Matos Oliveira Universidade de Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i2p15-27

Palavras-chave:

Arte da performance, Guerra colonial, Estética da resistência, Antifascismo, Anticolonialismo

Resumo

Manoel Barbosa possui um percurso singular na arte da performance em Portugal. Este artigo trata sobre o seu período formativo como artista e algumas das suas protoexperiências performativas, nomeadamente as primeiras performances realizadas em contexto colonial, que aqui são descritas e analisadas no âmbito de uma estética da resistência anticolonialista e antifascista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Madeira, Universidade Nova de Lisboa

Doutora em Sociologia da Arte e da Cultura pela Universidade de Lisboa e professora auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

Fernando Matos Oliveira, Universidade de Coimbra

Doutor em Literatura Portuguesa e professor auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

Referências

AUSLANDER, P. The performativity of performance documentation. PAJ: a journal of performance and art, New York, v. 28, n. 3, p. 1-10, set. 2006. DOI: 10.1162/pajj.2006.28.3.1.

BARBOSA, M. [Entrevista cedida aos autores]. Lisboa: [s. n.], 2015.

BARBOSA, M. [Entrevista cedida aos autores]. Lisboa: [s. n.], set. 2018.

CARUTH, C. Unclaimed experience, trauma, narrative, and history. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1996.

CASTRO, E. M. M. António António Aragão Aragão. Cibertextualidades, Porto, n. 7, p. 127-134, 2015. Disponível em: https://bit.ly/2RDevMa. Acesso em: 30 jan. 2020.

ESTRELA, A. Pokets of silence. Madrid: Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, 2015. Disponível em: http://bit.ly/2NWXpa2. Acesso em: 19 jul. 2016.

FAIN, H. Between philosophy and history: the ressurrection of speculative philosophy of history within the analytic tradition. Princeton: Princeton University Press, 1970.

GIL, J. Portugal, hoje: o medo de existir. Lisboa: Relógio d’Água, 2005.

HOWELL, A. The analysis of performance art: a guide to its theory and practice. 2. ed. Amsterdam: Harwood Academic Publishers, 2000. (Coleção Contemporary theatre studies, v. 32).

LOURENÇO, E. Do colonialismo como nosso impensado. Lisboa: Gradiva, 2014.

LUHMANN, N. A improbabilidade da comunicação. Lisboa: Vega, 2006.

MADEIRA, C. A arte contra o silêncio: relações entre arte e guerra colonial em Portugal. Colóquio Letras, Lisboa, n. 191, p. 95-108, jan./abr. 2016a.

MADEIRA, C. Arte da performance e a guerra colonial portuguesa: relações no tempo histórico. Media & Jornalismo, Lisboa, v. 16, n. 29, p. 15-25, dez. 2016b. DOI: 10.14195/2183-5462_29_1.

TURNER, V. Anthropology of performance. New York: PAJ Publications, 1987.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Como Citar

Madeira, C., & Oliveira, F. M. (2019). Manoel Barbosa: performance, ansiedade e geografia colonial. Sala Preta, 19(2), 15-27. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i2p15-27

Edição

Seção

MUNDO