Stabat Mater

a profanação de si como poética

Autores

  • Luiz Fernando Ramos Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i2p249-251

Palavras-chave:

Pulsão, Paresia, Representação

Resumo

Leitura crítica do espetáculo Stabat Mater, de Janaína Leite, feita para além das muitas camadas de significado que a referência medieval e cristã do título enseja e evitando a descrição objetiva das referências contemporâneas a que a encenação alude. O procedimento crítico permitiu- se registrar uma contextualização impressionista da efetividade fática do espetáculo frente ao que se deduziu como sua ambição estética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Fernando Ramos, Universidade de São Paulo

Professor Associado do Departamento de Artes Cênicas da Universidade de São Paulo, leciona História e Teoria do Teatro desde 1998. Pesquisador do CNPq A1d. Co-Editor da revista Sala Preta entre 2000 e 2010. Editor responsável a partir de 2014.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Como Citar

Ramos, L. F. (2019). Stabat Mater: a profanação de si como poética. Sala Preta, 19(2), 249-251. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v19i2p249-251

Edição

Seção

DEBATES CRÍTICOS