“CAPOEIRA É PRA HOMEM, MENINO E MULHER”: ANGOLEIRAS ENTRE A COLONIALIDADE E A DESCOLONIZAÇÃO

  • Paula Juliana Foltran Universidade de Brasília
Palavras-chave: Capoeira Angola, Gênero, Descolonização do Saber, História das Mulheres.

Resumo

A capoeira angola não é espaço estranho às mulheres. Muito embora, seja comum a qualificarem como sendo “do universo masculino”, ou como propriamente masculina, o fato é que seus lugares de expressão e sua forma de organização sempre contaram com a presença de mulheres, não apenas espectadoras, mas que contribuíram ativamente para a construção e transformação desta prática cultural afro-brasileira e para o estabelecimento de uma tradição. Neste artigo quero discutir, a partir de uma imagem fotográfica da década de 1960, que retrata o famoso Mestre Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha), observando duas alunas mulheres em treino, alguns mecanismos de exclusão e silenciamento das mulheres tanto da historiografia sobre a capoeira quanto de suas narrativas tradicionais. Para tanto, compartilho os dados e as informações levantados em pesquisa sobre a imagem, suas personagens e os eventos contextuais para além daquilo revelado no papel filme. A partir da fotografia em questão, muitos representantes mais velhos da capoeira angola narram uma história sobre a grandeza de um mestre e o início de uma nova fase na trajetória desta arte ancestral. O silenciamento das mulheres em luta me fez perguntar sobre quem seriam elas. Para tecer minha argumentação, apoio-me nas seguintes categorias: gênero, colonialidade do poder e descolonização do saber.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Juliana Foltran, Universidade de Brasília
Doutoranda vinculada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília.
Publicado
2017-08-18
Como Citar
Foltran, P. (2017). “CAPOEIRA É PRA HOMEM, MENINO E MULHER”: ANGOLEIRAS ENTRE A COLONIALIDADE E A DESCOLONIZAÇÃO. Sankofa (São Paulo), 10(19), 83-106. https://doi.org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2017.137197
Seção
Artigos