A BRANQUITUDE DE WHITE FACE AND BLONDE HAIR

Autores

  • Rodrigo Severo dos Santos

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2019.169159

Palavras-chave:

branquitude, performance negra, corpo negro, artistas afrodiaspóricos, racismo recreativo

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo analisar a performance White Face And Blonde Hair (2012) da artista multidisciplinar Renata Felinto (1978) a partir do conceito de branquitude (BENTO, 2002; FRANKENBERG, 2004; SCHUCMAN, 2012; CARDOSO, 2017). Na performance, a artista se autorrepresenta como uma mulher loira, sedutora e sorridente para questionar os padrões de beleza branco e ocidental impostos como “universais”, e veiculados como naturais pela cultura de massa. O trabalho de Felinto revela como os padrões de beleza que vigoram no Brasil ainda são extremamente eurocêntricos e excludentes estruturando processos contínuos de violência contra às mulheres não brancas e que não estão dentro de um padrão dominante de beleza branca propagado como belo, bom e universal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-08-08

Como Citar

Santos, R. S. dos. (2019). A BRANQUITUDE DE WHITE FACE AND BLONDE HAIR. Sankofa (São Paulo), 12(23), 141-158. https://doi.org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2019.169159

Edição

Seção

Artigos