Uso de álcool por vítimas de morte violenta no Estado de São Paulo

  • Daniele Mayumi Sinagawa Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
  • Carla Daniele de Godoy Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
  • Julio de Carvalho Ponce Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
  • Gabriel Andreuccetti Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
  • Débora Gonçalves de Carvalho Instituto Médico Legal de São Paulo (IML-SP).
  • Daniel Romero Muñoz Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
  • Vilma Leyton Faculdade de Medicina da Universidade de São FM/USP.
Palavras-chave: Alcoolismo. Causas externas. Vítimas de desastres. Bebidas alcoólicas.

Resumo

As mortes por causas externas representam um importante fator na perda de anos de vida e atingem principalmente as faixas etárias economicamente ativas da população. Entre os jovens no Brasil, 72% das mortes devemse a causas externas. Sabe-se que muitas delas estão associadas a um consumo nocivo de bebidas alcoólicas. Objetivando dimensionar a atual influência do consumo de álcool na ocorrência de mortes por causas externas, o presente estudo é composto pelo levantamento de dados de 12.926 casos de vítimas fatais de causas externas, necropsiadas entre janeiro e dezembro de 2006 nos postos médico-legais do Estado de São Paulo. Os dados obtidos indicaram uma prevalência de 36,9% de vítimas com resultados positivos para a presença de etanol, com prevalência maior nos acidentes de trânsito (44%). Homens consistentemente apresentaram prevalência e média de alcoolemia maior para todas as causas analisadas. Os resultados do estudo indicam uma preocupante porcentagem de mortes por causa externas associadas ao consumo de álcool no Estado de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniele Mayumi Sinagawa, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Bióloga, Aprimoranda em Histopatologia e Biologia Forense do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Carla Daniele de Godoy, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Biomédica, Aprimoranda em Histopatologia e Biologia Forense do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Julio de Carvalho Ponce, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Bacharel em Ciências Moleculares, Mestrando em Fisiopatologia no Departamento de Medicina Legal, Ética Médica e Medicina Social e do Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Gabriel Andreuccetti, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Biólogo, Mestrando em Epidemiologia no Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Débora Gonçalves de Carvalho, Instituto Médico Legal de São Paulo (IML-SP).
Perita Criminal do Instituto Médico Legal de São Paulo (IML-SP).
Daniel Romero Muñoz, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Professor Titular do Departamento de Medicina Legal, Ética Médica e Medicina Social e do Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo FM/USP.
Vilma Leyton, Faculdade de Medicina da Universidade de São FM/USP.
Professora Doutora do Departamento de Medicina Legal, Ética Médica e Medicina Social e do Trabalho da Faculdade de Medicina da Universidade de São FM/USP.
Publicado
2008-12-07
Como Citar
Sinagawa, D., Godoy, C. D., Ponce, J., Andreuccetti, G., Carvalho, D., Muñoz, D., & Leyton, V. (2008). Uso de álcool por vítimas de morte violenta no Estado de São Paulo. Saúde, Ética & Justiça, 13(2), 65-71. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v13i2p65-71
Seção
Artigo