O passado e seu ponto de partida. Resenha de A luta armada no cinema: ficção, documentário, memória, de Fernando Seliprandy

Palavras-chave: Cinema brasileiro, ditadura militar, luta armada, Bruno Barreto, Silvio Da-Rin

Resumo

A luta armada no cinema: ficção, documentário, memória, livro de Fernando Seliprandy, publicado pela editoria Intermeios, de São Paulo, em 2015, compara dois filmes que tratam de um mesmo evento histórico: o sequestro do embaixador estadunidense Charles Elbrick, em 1969, ação guerrilheira empreendida pelo Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8) e pela Ação Libertadora Nacional (ALN). Em quatro capítulos, Fernando Seliprandy interroga a “ficção histórica” O que é isso, companheiro (1997), de Bruno Barreto, e o “documentário” Hércules 56 (2006), de Silvio Da-Rin, num livro que foge do esquematismo. O autor oferece uma abordagem original dos artifícios empregados por ambos os filmes; dos antagonismos que suas narrativas instauram; do “passado” reconstruído por cada obra; e dos nexos possíveis entre as imagens de memória e as conjunturas de sua produção

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Ramos Monteiro

Lúcia Ramos Monteiro é doutora em estudos cinematográficos (2014, Universidade Sorbonne Nouvelle Paris 3 e Universidade de São Paulo). Ela trabalhou como professora assistente no curso de cinema da Universidade Sorbonne Nouvelle Paris 3 e como professora convidada na Universidad de las Artes de Guayaquil, Equador. Ela co-dirigiu a publicação "Yes, it's cinema. Forms and espaces of the moving image" (Campanotto, 2008) e tem publicado artigos sobre cinema e arte contemporânea, cinema e catástrofe, Jia Zhang-ke, cinema latino-americano, pós-cinema, etc. Ela realiza atualmente uma pesquisa de pós-doutorado na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Referências

BENJAMIN, W. “Escavar e lembrar”. In. Obras escolhidas, v. 2. São Paulo: Brasiliense, 1987, p. 239. “Fouilles et souvenir”. In. Images de pensée. Paris, Christian Bourgeois, 1998.

COMISIÓN NACIONAL SOBRE LA DESAPARICIÓN DE PERSONAS. Nunca más: informe de la Conadep. 8a. Ed.. Buenos Aires: Eudeba, 2011.

CURRIE, G. “Ficções visuais”. In. RAMOS, F. P. (org.), Teoria contemporânea do cinema: pós-estruturalismo e filosofia analítica, vol. 1, São Paulo: Editora do Senac, 2005.

FERRO, M. “O filme: uma contra-análise da sociedade?”. In. Cinema e história, 2a ed. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

GABEIRA, F. O crepúsculo do macho. 13a. ed. Rio de Janeiro: Codecri, 1980.

____________. O que é isso, companheiro? São Paulo: Cia. das Letras, 1997.

GASPARI, E. A ditadura envergonhada. São Paulo: Cia. das Letras, 2002.

___________. A ditadura escancarada. São Paulo: Cia. das Letras: 2003.

___________. A ditadura encurralada. São Paulo: Cia. das Letras: 2004.

NINEY, F. L’épreuve du réel à l’écran: essai sur le príncipe de réalité documentaire. Bruxelas: De Boeck, 2000.

ODIN, R. “Film documentaire, lecture documentarisante”. In. LYANT, J. C. (ed.), Cinémas et réalités. Saint-Etienne: Université de Saint-Etienne, 1984, p. 263-278.

RAMOS, F. Mas afinal... o que é mesmo o documentário? São Paulo: Editora Senac, 2008.

REIS FILHO, D. A. A revolução faltou ao encontro: os comunistas no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

________________. “Versões e ficções: a luta pela apropriação da memória”. In. REIS FILHO, D. A. et al. Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1997, p. 102-103.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

_________. Temps et récit. Paris: Éditions du Seuil, 1983, tomo 1.

SELIPRANDY, F. A luta armada no cinema: ficção, documentário, memória. São Paulo: Intermeios, 2015.

WALTON, K. Mimesis as Make-Believe: on the Foundations of the Representational Arts (Cambridge: Harvard University Press, 1990).

___________. “Temores fictícios”. In. RAMOS, F. P. (org.), Teoria contemporânea do cinema: pós-estruturalismo e filosofia analítica, vol. 1, São Paulo: Editora do Senac, 2005.

VEYNE, P. Comment on écrit l’histoire, Paris, Seuil, 1971.

Publicado
2016-08-22
Como Citar
Monteiro, L. (2016). O passado e seu ponto de partida. Resenha de A luta armada no cinema: ficção, documentário, memória, de Fernando Seliprandy. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 43(45), 340-349. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2016.108458