A televisão como meio híbrido no pensamento de Raymond Williams

  • Marcio Serelle Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Televisão, Raymond Williams, Hibridação

Resumo

Neste artigo, discuto que o fenômeno do fluxo, aspecto mais debatido de Television no Brasil, deve ser compreendido em perspectiva mais ampla da TV como meio híbrido, no pensamento de Raymond Williams. Tendo a hibridação como eixo, coloco em relevo aspectos centrais da obra, que se referem às relações entre tecnologia e sociedade, à concentração de formas culturais na televisão, à noção do fluxo e ao problema da crítica. Sujeita a revisões desde sua publicação, a obra de Williams possui o mérito de interpelar a televisão como resultante e geradora de hibridações (como no caso da forma mista do drama-documentário), e de apontar, assim, para o caráter desafiador do meio, em diferentes contextos e perspectivas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Serelle, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Professor doutor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, "Interações Midiáticas", da PUC Minas, com pós-doutorado na University of Queensland (2015).

Referências

Referências

ANDREJEVICK, M. When everyone has their own reality show. In: OUELLETTE, L. A companion to reality television. New York: John Wiley & Sons, 2014. p. 40-56.

BOLTER, J.; GRUSIN, R. Remediation: understanding new media. Cambridge, London: The MIT Press, 2000.

ELLIS, J. Visible Fictions: Cinema, Television, Video, London: Routledge and Kegan Paul, 1982.

MACHADO, Arlindo; VÉLEZ, Marta Lucía. Questões metodológicas relacionadas com a televisão. E-compós: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, n. 8, abr. 2007.

MUANIS, F. MTV Brasil e o ocaso do fluxo. Revista Novos Olhares, n. 3. v. 2, 2014. p. 59-69.

PIEDRAS, E. R.; JACKS, N. A contribuição dos estudos culturais para a abordagem da publicidade: processos e comunicação persuasiva e as noções “articulação” e “fluxo”. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, n. 6, ago. 2006.

SILVERSTONE, R. ‘Preface’ in WILLIAMS, R. Technology and Cultural Form, London and New York: Routledge, 2003.

TURNER, G. British cultural studies. London and New York: Routledge, 2003.

WILLIAMS, R. Television: Technology and Cultural Form, ed. E.Williams,Routledge Classics edition, London and New York: Routledge, 2003.

Publicado
2016-08-22
Como Citar
Serelle, M. (2016). A televisão como meio híbrido no pensamento de Raymond Williams. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 43(45), 187-199. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2016.109226