Entre a passagem e a permanência: estética do desaparecimento em Linz – Quando Todos os Acidentes Acontecem

  • Camila Vieira da Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: passagem, permanência, desaparecimento, fracasso, cinema brasileiro

Resumo

Este artigo busca compreender como a experiência do fracasso e da desaparição é explorada em Linz – Quando Todos os Acidentes Acontecem (2013), primeiro longa-metragem de ficção do realizador cearense Alexandre Veras. O objetivo da análise do filme é situar a relação entre passagem e permanência como elemento dramatúrgico que contribui para o pensamento em torno de uma estética do desaparecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Vieira da Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Camila Vieira da Silva é doutoranda em Comunicação e Cultura pelo Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Pós-Eco UFRJ), mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Ceará (UFC), especialista em Comunicação e Cultura pela Faculdade 7 de Setembro (Fa7) e graduada em Comunicação Social – Jornalismo, pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Pesquisa a relação entre desaparecimento e encenação no cinema contemporâneo brasileiro.

Referências

ARON, I. “Lenz: A trajetória do ser humano”. Fragmentos, Florianópolis, v. 1, n. 2, 1986, p. 45-53.

AUMONT, J. (org.). A estética do filme. Campinas: Papirus, 1995.

AZEVEDO, F. G. “O espírito dos coletivos”. Jornal O POVO, Caderno Vida & Arte, Fortaleza, 3 ago. 2013, p. 6.

BATISTA, R. “A potência do acidente”. Jornal O POVO, Caderno Vida & Arte, Fortaleza, 3 ago. 2013, p. 3.

BERSANI, L.; DUTOIT, U. Arts of impoverishment: Beckett, Rothko, Resnais. Cambridge: Massachusetts: Harvard University Press, 1993.

BORDWELL, D. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Campinas, SP: Papirus, 2008.

IKEDA, M. “O cinema de garagem: desafios e apontamentos para uma curadoria em construção”. In.: IKEDA, M.; LIMA, D. (orgs). Cinema de Garagem 2014. Rio de Janeiro: WSET Multimídia, 2014.

__________. “Linz, o Umberto D do novo cinema cearense”. Cinecasulofilia, Fortaleza, 2 fev. 2013. Disponível em <http://cinecasulofilia.blogspot.com.br/2013/02/linz-o-umberto-d-do-novo-cinema-cearense.html >. Acesso em 26 jul. 2015.

LIMA, M. R. “Dois teatros, um depoimento”. Jornal O POVO, Caderno Vida & Arte, Fortaleza, 3 ago. 2013, p. 4.

LOPES, D. “Invisibilidade e Desaparecimento”. In: MARGATO, I; GOMES, R. C. (orgs.). Espécies de Espaço: territorialidades, literatura e mídia. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

_________. No Coração do Mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 2012.

O PASSAGEIRO e o permanente. Diário do Nordeste, Fortaleza, 6 ago. 2013, p. 1.

PARENTE, G. “Vilas Volantes :: Alexandre Veras :: 2005”. Cine Caolho, Fortaleza, 15 ago. 2007. Disponível em <http://cine-caolho.blogspot.com.br/2007/08/vilas-volantes-alexandre-veras-2005.html >. Acesso 26 jul. 2015.

RIBEIRO, F. “O estranho contracolonial”. Jornal O POVO, Caderno Vida & Arte, Fortaleza, 3 ago. 2013, p. 5.

VIEIRA, C. “Mosaico em construção: breve panorama da nova produção audiovisual cearense”. In. IKEDA, M.; LIMA, D. (orgs). Cinema de garagem: panorama da produção brasileira independente do novo século. Rio de Janeiro: WSET Multimídia, 2012.

ZUFFEREY, N. “Aspects philosophiques de la disparition”. In. Intermédialités, Montréal: Centre de recherche sur l’intermédialité, n. 10, 2007.

Referências audiovisuais

LINZ – Quando Todos os Acidentes Acontecem. Alexandre Veras, Brasil, 2013.

VILAS Volantes. Alexandre Veras, Brasil, 2005.

Publicado
2016-08-22
Como Citar
Silva, C. (2016). Entre a passagem e a permanência: estética do desaparecimento em Linz – Quando Todos os Acidentes Acontecem. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 43(45), 220-239. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2016.110087