A imagem interessante: cinema e suspensão narrativa

  • João Vitor Resende Leal Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Narrativa cinematográfica, Suspensão narrativa, Imagem cinematográfica

Resumo

Este artigo busca investigar a partir de que momento, por quais critérios e com que exatidão podemos afirmar que há “suspensão narrativa”, quais as qualidades das imagens que operam essa suspensão e quais as suas consequências na experiência do espectador. Para tanto, articularemos um panorama teórico sustentado por diversas noções – o “conceito estendido de moving-picture dance” (Carroll), a “fotogenia” (Epstein, Xavier), o “número musical” (Altman, Sutton), o “cinema de atrações” (Geaudreault, Borges), o “punctum” e o “terceiro sentido” (Barthes) e o “excesso” (Thompson) – e avançaremos que, ao rescindir com as motivações e com a lógica causal da trama, essa imagem “interessante por si própria” acaba por revelar uma “elasticidade” latente na própria narrativa cinematográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Vitor Resende Leal, Universidade de São Paulo

Bolsista de Doutorado FAPESP (processo n. 2015/06711-1) no Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da ECA/USP.

Referências

ALTMAN, R. “The American film musical as dual-focus narrative”. In. The American film musical. Bloomington-Indianapolis: Indiana University Press, 1987, p. 16-27.

BARTHES, R. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BARTHES, R. “O terceiro sentido”. In. O óbvio e o obtuso. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990, p. 45-61.

BORDWELL, D. Narration in the fiction film. Madison: University of Wisconsin Press, 1985.

BORGES, C. “Da pose fotográfica à passagem cinematográfica: fundamentos da imagem fotossensível”. Significação, nº 35, 2011, p. 153-167.

BORGES, C. “Mais perto do coração selvagem (do cinema)”. In. GONÇALVES, O. (org.). Narrativas sensoriais: ensaios sobre cinema e arte contemporânea. Rio de Janeiro: Circuito, 2014, p. 41-59.

CARROLL, N. “Toward a definition of moving-picture dance”. Dance research journal, 33/1, verão de 2001, p. 46-61.

EPSTEIN, J. “Le cinématographe vu de l’Etna”. In. Écrits sur le cinéma, tome 1: 1921-1947. Paris: Éditions Seghers, 1974, p. 131-168.

GAUDREAULT, A. Film and attraction: from kinematography to cinema. Chicago/Springfield: University of Illinois Press, 2011.

GAUDREAULT, A, e JOST, F. A narrativa cinematográfica. Brasília: Editora UnB, 2009.

HEATH, S. “Film and system: terms of analysis – part I”. Screen, vol. 16, nº 1, primavera de 1975, p. 7-77.

MALABOU, C. “Plasticité surprise”. In MALABOU, C. (org.). Plasticité. Paris: Léo Scheer, 2000, p. 310-323.

MULVEY, L. Death 24x a second. Londres: Reaktion Books, 2006.

SUTTON, M. “Patterns of meaning in the musical”. In. ALTMAN, R. (org.). Genre: the musical. Cambridge: Cambridge University Press, 1993, p. 103-126.

THOMPSON, K. “The concept of cinematic excess”. Ciné-tracts, nº 2, verão de 1977, p. 54-63.

XAVIER, I. “Do ritmo à fotogenia”. In. Sétima arte: um culto moderno. São Paulo: Perspectiva, 1978, p. 79-102.

Publicado
2016-08-22
Como Citar
Leal, J. V. (2016). A imagem interessante: cinema e suspensão narrativa. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 43(45), 289-308. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2016.110850