O documentário como “mídia de memória”: afeto, símbolo e trauma como estabilizadores da recordação

  • Cássio dos Santos Tomaim Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Palavras-chave: documentário, mídia de memória, testemunho.

Resumo

Ao pensar o documentário como “mídia de memória”, reconhecemos o afeto, o símbolo e o trauma como estabilizadores da recordação neste tipo de cinema que, a partir da década de 1960, interessou-se não mais apenas pelos vestígios, mas também pelas testemunhas. O testemunho oral ascendeu como principal dispositivo do documentário para acessar as memórias coletivas. Se na contemporaneidade presenciamos uma “cultura da memória”, o documentário tem um lugar nesta história, mais como uma atividade “artesanal da memória”, ao preservar/armazenar uma memória experiencial do vivido, do que como uma ameaça ao passado recordado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássio dos Santos Tomaim, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Doutor em História. Professor dos Programa de Pós-Graduação em Comunicação e em História da UFSM.

Referências

ADORNO, T. A. [1949] Prismas – Crítica cultural e sociedade. São Paulo: Ática, 1998.

ASSMANN, A. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011.

BAUMAN, Z. Modernidade e Holocausto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1998.

BENJAMIN, W. “O Narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”. In. Obras escolhidas I. Magia e técnica, arte e política. v.1. São Paulo: Brasiliense, 1987, p.197-221.

CANDAU, J. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2014.

COMOLLI, J. L. Ver e poder. A inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

GAGNEBIN, J. M. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GAUTHIER, G. O documentário: um outro cinema. Campinas, SP: Papirus, 2011.

HARTOG, F. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

______. Evidência da história: o que os historiadores veem. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HUYSSEN, A. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

NICHOLS, B. Introdução ao documentário. Campinas, SP: Papirus, 2005.

NORA, P. “Entre memória e história: a problemática dos lugares”. In. Projeto História, São Paulo, n.10, p.7-29, 1993.

RANCIÈRE, J. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa. vol. 01. A intriga e a narrativa histórica. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010a.

______. Tempo e narrativa. vol. 03. O tempo narrado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010b.

ROCHLITZ, R. O desencantamento da arte: a filosofia de Walter Benjamin. Bauru, SP: EDUSC, 2003.

SELIGMANN-SILVA, M. “O local do testemunho”. Tempo e Argumento, Florianópolis (SC), v. 2, n. 1, p. 3-20, jan./jun. 2010.

TOMAIM, C. S. “O documentário e sua ‘intencionalidade histórica’”. Doc On-line, Revista Digital de Cinema Documentário, n. 15, p.11-31, dez. 2013. Disponível em < http://www.doc.ubi.pt/15/dossier_cassio_tomaim.pdf>. Acesso em 09/09/2015.

WINTER, J. “A geração da memória: reflexões sobre o 'boom da memória' nos estudos contemporâneos de história”. In. SELLIGMAN-SILVA, M. (org.). Palavra e imagem: memória e escritura. Chapecó, SC: Argos, 2006, p.67-90.

Referências audiovisuais

A COBRA Fumou. Vinicius Reis, Brasil, 2002.

EL CIELO Gira (O céu gira). Mercedes Álvarez, Espanha, 2004.

NANKING. Bill Guttentag e Dan Sturman, EUA, 2007.

NUIT et Brouillard (Noite e Neblina). Alain Resnais, França, 1955.

SHOAH. Claude Lanzmann, França, 1985.

Publicado
2016-08-22
Como Citar
Tomaim, C. (2016). O documentário como “mídia de memória”: afeto, símbolo e trauma como estabilizadores da recordação. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 43(45), 96-114. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2016.111443