Mortu nega (1988): cinema e história na luta de independência e o pós-colonial “daqueles a quem a morte foi negada”

  • Jusciele Conceição Almeida de Oliveira Universidade do Algarve
Palavras-chave: Cinema e história, Guiné-Bissau e Portugal, Cineasta Flora Gomes, Mortu nega.

Resumo

As relações entre Portugal e o território que corresponde à atual Guiné-Bissau datam do século XV. Com a chegada de Diogo Gomes na costa africana, as relações territoriais, políticas e culturais se intensificaram. Entre 1884 e 1885, após a Conferência de Berlim, foram delimitadas as fronteiras físicas do continente africano. Em janeiro de 1963, deflagrou-se a luta da Guiné pela independência contra o colonialismo português, que só será reconhecida oficialmente por Portugal depois do 25 de abril de 1974. Nesse sentido, a história de Portugal e da Guiné-Bissau se cruza, razão pela qual é feito neste texto um levantamento sobre as relações entre cinema e história, por meio das questões presentes no filme Mortu nega (1988), do cineasta bissau-guineense Flora Gomes. Salienta-se que este texto faz parte do primeiro capítulo da tese de doutorado, que está na fase de escrita, sobre a autoria na obra do cineasta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jusciele Conceição Almeida de Oliveira, Universidade do Algarve

Doutoranda pelo Centro de Investigação em Artes e Comunicação da Universidade do Algarve (CIAC-Ualg). Bolsista do Programa Doutorado Pleno no Exterior da Capes, proc. nº 0654/14-0.

Referências

BAMBA, M. “A ‘irrupção do Outro’ no campo do discurso teórico sobre os cinemas pós-coloniais africanos”. In: OLIVEIRA, M. P. de; PEREIRA, M. M. dos S.; CARRASCOSA, D. Cartografias da subalternidade: diálogos no eixo sul-sul. Salvador: Edufba, 2014. p. 7-98.

BARROS, J. d’A. (Org.). Cinema-história: teoria e representações sociais no cinema. 3. ed. Rio de Janeiro: Apicuri, 2012.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CABRAL, A. Guiné-Bissau: nação africana forjada na luta. Tradução Manuel L. Martins. Lisboa: Nova Aurora, 1974. (Textos Amílcar Cabral, n. 1).

CANDÉ-MONTEIRO, A. Guiné-Bissau: da luta armada à construção do estado nacional – conexões entre o discurso de unidade nacional e diversidade étnica (1959-1994). Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

CÓ, J. P. P. “Nha fala: entre memórias, esquecimentos, ancestralidade, oralidade e identidade nacional guineenses numa África pós-colonial”. In: LIMA, T.; NASCIMENTO, I.; OLIVEIRA, A. (Orgs.). Griots: culturas africanas: linguagem, memória, imaginário. Natal: Lucgraf, 2009. p. 102-113.

DAVIDSON, B. A política da luta armada: libertação nacional nas colónias africanas de Portugal. Tradução Fernanda Pinto Rodrigues. Lisboa: Caminho, 1979.

______. “Introdução: os valores coloniais portugueses”. In: FERREIRA, E. de S. O fim de uma era: o colonialismo português em África. Tradução Maria Nazaré de Campos. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1977. p. 5-26.

EMBALÓ, F. “O cinema da Guiné-Bissau”. In: BARROS, M. de (Coord.). Flora Gomes: o cineasta visionário. Bissau: Corubal, 2015. p. 19-23.

ENDERS, A. História da África Lusófona. Tradução Mário Matos e Lemos. Lisboa: Inquérito, 1997.

FERREIRA, E. de S. O fim de uma era: o colonialismo português em África. Tradução Maria Nazaré de Campos. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1977.

FERRO, M. Cinema e história. Tradução Flávia Nascimento. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

GOMES, C. de M. “Prefácio”. In: GOLIAS, J. S. A descolonização da Guiné-Bissau e o movimento dos capitães. Lisboa: Colibri, 2016. p. 9-31.

HERIQUES, I. C. Catálogo Africanos em Portugal: história e memória – séculos XVXXI. 1. ed. Lisboa: Peres-Soctip; Indústrias Gráficas, 2011

KI-ZERBO, J. História da África negra II. 1. ed. Lisboa: Publicações Europa-América, 1972.

KORNIS, M. A. “História e cinema: um debate metodológico”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 237-250, 1992.

LAGNY, M. “6. História e Cinema”. In: GARDIES, R. (Org.). Compreender o cinema e as imagens. Tradução Pedro Elói Duarte. Lisboa: Texto & Grafia, 2006. p. 113-144.

______. “O cinema como fonte de história”. In: NÓVOA, J.; FRESSATO, S. B.; FEIGELSON, K. (Orgs.). Cinematógrafo: um olhar sobre a história. Salvador: Edufba; São Paulo: Unesp, 2009. p. 99-131.

M’BOKOLO, E. África negra: história e civilizações do século XIX aos nossos dias – Tomo II. Tradução Manuel Resende. Lisboa: Colibri, 2007.

MATEUS, D. C. A luta pela independência: a formação das elites fundadoras da FRELIMO, MPLA e PAIGC. Portugal: Inquérito, 1999.

MONTEIRO, F. A.; ROCHA, T. V. A Guiné do século XVII ao século XIX: o testemunho dos manuscritos. Lisboa: Prefácio, 2004.

NAPOLITANO, M. “A escrita fílmica da história e a monumentalização do passado: uma análise comparada de Amistad e Danton”. In: CAPELATO, M. H. et al. (Orgs.).

História e cinema: dimensões históricas do audiovisual. 2. ed. São Paulo: Almeda, 2011. p. 65-84.

NÓVOA, J.; FRESSATO, S. B.; FEIGELSON, K. (Orgs.). Cinematógrafo: um olhar sobre a história. Salvador: Edufba; São Paulo: Unesp, 2009.

OLIVEIRA, J. C. A. de; ZENUN, M. “A poesia universal no cinema de um homem africano: entrevista com Flora Gomes”. Cerrados – Revista do Programa de Pós-Graduação em Literatura, Brasília, DF, v. 25, n. 41, p. 320-329, 2016.

PÉLISSIER, R. História da Guiné: portugueses e africanos na Senegâmbia (1841-1936). Lisboa: Estampa, 1989. Volume I.

SEMEDO, O. C. “Guiné-Bissau, mulheres e letras: vozes femininas… por detrás dos escritos”. In: ENCONTRO DE PROFESSORES DAS LITERATURAS AFRICANAS, 3., 2007, Rio de Janeiro. Pensando África: crítica, pesquisa e ensino. Rio de Janeiro: UFRJ; UFF; Fundação Biblioteca Nacional, nov. 2007.

SILVA, A. E. D. A independência da Guiné-Bissau e a descolonização portuguesa. Porto: Afrontamento, 1997.

______. A invenção e construção da Guiné-Bissau: administração colonial, nacionalismo, constitucionalismo. Coimbra: Almedina, 2010.

SOUSA, J. S. Amílcar Cabral (1924-1973): vida e morte de um revolucionário. 2. ed. Lisboa: Nova Veja, 2012.

VILELA, A. “África positiva. Entrevista concedida por Flora Gomes”. Revista Macau, Macau, IV série, n. 4, p. 98-106, set. 2006.

Refência filmográfica

MORTU nega. Flora Gomes, Guiné-Bissau, 1988.

Publicado
2017-07-13
Como Citar
de Oliveira, J. (2017). Mortu nega (1988): cinema e história na luta de independência e o pós-colonial “daqueles a quem a morte foi negada”. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 44(47), 71-89. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2017.125903