Considerações sobre os números musicais das chanchadas

Palavras-chave: cinema brasileiro, chanchada, intermidialidade, números musicais, carnaval

Resumo

Comentam-se as abordagens de Irina Rajewsky e Agnes Pethö sobre a intermidialidade no cinema e no audiovisual e, em seguida, discutem-se as possibilidades de sua aplicação como categoria crítica na análise de alguns números musicais de filmes do diretor Watson Macedo nos anos 1950. Pesquisadores conectam os números musicais de chanchadas brasileiras ao teatro de revista, ao rádio, à indústria fonográfica e ao cinema de Hollywood, mas as relações entre essas diferentes mídias têm sido entendidas tendo o filme como principal foco explicador. Esses números musicais podem ser analisados diferentemente dentro do circuito mais amplo de mídias e práticas culturais urbanas, tal como propõe Charles Musser.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Cesarino Costa, Universidade Federal de São Carlos
Professora de Teoria e História do Audiovisual da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É autora de O primeiro cinema: espetáculo, narração, domesticação (Azougue, 2005). Pertence ao Cinemídia – Grupo de Estudos sobre História e Teoria das Mídias Audiovisuais, na UFSCar, e é pesquisadora do Intermidia Project – Towards an Intermedial History of Brazilian Cinema: Exploring Intermediality as a Historiographic Method (https://research.reading.ac.uk/intermidia) financiado por AHRC/Reino Unido e Fapesp/Brasil.

Referências

ARAÚJO, L. C. (2015). “Augusto Annibal quer casar!: teatro popular e Hollywood no cinema silencioso brasileiro”, Alceu, v.16, n.31, julho/dezembro 2015, pp.62-73.

ANTUNES, D. (2004). Fora do sério: um panorama do teatro de revista no Brasil. Rio de Janeiro, Funarte, 2004.

AUGUSTO, S. (1989). Este mundo é um pandeiro, a chanchada de Getúlio a JK. São Paulo, Cinemateca Brasileira/Companhia das Letras, 1989.

CIOCCI, S. C. N. (2010). Assim era a música da Atlântida: a trilha musical do cinema popular brasileiro no exemplo da Companhia Atlântida Cinematográfica 1942/1962. Dissertação de mestrado, Campinas, Universidade Estadual de Campinas/ Instituto de Artes, 2010.

DENNISON, S. e L. SHAW (2004). Popular cinema in Brazil, 1930-2001, Manchester, Manchester University Press, 2004.

FEUER, J. (1993). The Hollywood musical, segunda edição, Bloomington/Indianápolis, Indiana University Press, 1993.

FRANKIE, “Francisco Carlos vai casar?”, A cena muda, 7 de junho de 1951, pgs 10-11.

FREIRE, R. L. (2011). Carnaval, mistério e gângsters: o filme policial no Brasil (1915-1951). Tese de doutorado, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2011.

FREIRE, R. L. (2013) “Acabaram-se os otários: compreendendo o primeiro longa- -metragem brasileiro sonoro”. Rebeca, ano 2, v. 3, 2013. p.104-128.

GOMES, T. M. (2004). Um espelho no palco: identidades sociais e massificação da cultura no teatro de revista dos anos 1920, Campinas, Editora da Unicamp, 2004.

HEFFNER, H. (2012). “Chanchada: gênero nacional”, Almanaque: noites de chanchada – o melhor do cinema popular brasileiro!, Rio de Janeiro, 2012, pp.6-11.

HEFFNER, H. (2010). Entrevista a Sandra Ciocci em CIOCCI (2010), pp.186-215.

LENHARO, A. (1995). Cantores do rádio: a trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo. Campinas, Editora da UNICAMP, 1995.

MUSSER, C. (2004). “Towards a history of theatrical culture: imagining an integrated history of stage and screen”, in John Fullerton (ed), Screen culture: history and textuality, Eastleigh, John Libbey, 2004, pp.3-19.

SCHVARZMAN, S. (2008). “Cultura popular massiva no Brasil: o lugar do cinema sonoro e sua relação com a música popular”, Icone, Vol.10, n.1, p.77-99, julho de 2008.

SHAW, L. (2000). The chanchada and celluloid visions of Brazilian identity in the Vargas era (1930-45), Journal of Iberian and Latin American Studies, Vol.6, No.1, 2000, pp.63-74.

SHAW, L. (2003). The Brazilian chanchada and Hollywood paradigms (1930-1959), Framework, vol.44, no.1, spring 2003, pp.70-83.

VENEZIANO, N. (2006). De pernas pro ar: o teatro de revista em São Paulo, São Paulo, Imprensa Oficial, 2006.

VIEIRA, J. L. (1977). Foto de cena e chanchada: a eficácia do “star system” no Brasil. Dissertação de mestrado. Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1977.

VIEIRA, J. L. (1983). “Este é meu, é seu, é nosso: introdução à paródia no cinema brasileiro”, Filme Cultura, Rio de Janeiro, no.41-42, 1983.

VIEIRA, J. L. (1984). Hegemony and resistance: parody and carnival in Brazilian Cinema, Tese de doutorado, New York University, 1984.

VIEIRA, J. L.. (1987). “A chanchada e o cinema carioca (1930-1955)”. In: RAMOS, Fernão, História do cinema brasileiro, São Paulo, Art, 1987.

VIEIRA, J. L. (1996). “Cinema e performance” in O cinema no século, ed. Ismail XAVIER, Rio de Janeiro, Imago, 1996, pp.337-351.

VIEIRA, J. L. (2012). “Brazil”. In: Corey K. Creekmur & Linda Mokdad (orgs.), The International Film Musical, Edinburgh, Edinburgh University Presss, 2012, pp.141-154.

Publicado
2018-07-04
Como Citar
Costa, F. (2018). Considerações sobre os números musicais das chanchadas. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 45(50), 179-203. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2018.138619