Sentidos identitários paradoxais de TV na internet

  • Suzana Kilpp Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Palavras-chave: televisão, molduras, estado-vídeo

Resumo

O artigo objetiva propor o conceito de estado-vídeo como alternativa a paradigmas que associam os conteúdos televisivos a que se assiste na Internet a uma espécie de televisão expandida, digitalizada ou remediada na rede universal de computadores. Toma por referência resultados parciais do monitoramento de dois sítios genealógicos: um de emissora de TV off-line sitiada na Internet, e outro de emissora que não tem existência off-line, que é nativa da Internet. A análise empírica é feita sob a metodologia das molduras, e o referencial teórico recorre a vários autores que são articulados para produzir a crítica e encaminhar as considerações finais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Kilpp, Universidade do Vale do Rio dos Sinos
É professora do Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação e do curso de Comunicação Digital da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, e pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Pesquisa financiada com recursos do CNPq e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs). Coordena o grupo de pesquisa Audiovisualidades da Tecnocultura: Comunicação, Memória e Design (TCAv).

Referências

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. Porto Alegre: Zouk, 2012.

BERGSON, Henri. Matéria e memória. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BERGSON, Henri. A evolução criadora. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BOLTER, Jay David; GRUSIN, Richard. Remediation. Cambridge: The MIT Press, 1999.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos. O que nos olha. Rio de Janeiro: Editora 34, 1998.

DUBOIS, Philippe. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

FIDALGO, António. A biblioteca universal na sociedade de informação. Universidade da Beira Interior, (s/d). Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2016.

FLUSSER, Vilém. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naif, 2007.

GOFFMAN, Erving. Frame analysis: an essay on the organization of experience. New York: Harper & Row, 1974.

HANSEN, Mark. New philosophy for new media. London: MIT Press, 2004.

KILPP, Suzana. Ethicidades televisivas. São Leopoldo: UNISINOS, 2003.

MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1999.

MCLUHAN, Marshall; FIORE, Quentin. O meio são as massagens: um inventário dos efeitos. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1969.

MCLUHAN, Marshall; MCLUHAN, Eric. Leyes de los medios: la nueva ciencia. México, D.F.: Alianza; Consejo Nacional para la Cultura y las Artes, 1990.

NASA. Ustream IBM Company. Disponível em http://www.ustream.tv/nasahdtv. Acesso em: 15 ago. 2016.

WIKIPEDIA. IBM. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/IBM>. Acesso em: 30 dez. 2016.

Publicado
2018-07-04
Como Citar
Kilpp, S. (2018). Sentidos identitários paradoxais de TV na internet. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 45(50), 278-296. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2018.140894
Seção
Artigos