Da utopia ao desencanto

  • Laécio Ricardo de Aquino Rodrigues Departamento de Comunicação Social Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Palavras-chave: memória de 68, maio de 68 francês, documentários sobre 1968

Resumo

Após recapitular a ambiência social e política da geração de 1968, enfatizando suas demandas e posterior legado, apresento no artigo uma análise de Morrer aos 30 anos (1982), filme de Romain Goupil e uma espécie de reflexão sobre as alegrias e desilusões com os anos de militância esquerdista à época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laécio Ricardo de Aquino Rodrigues, Departamento de Comunicação Social Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Professor do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da mesma instituição. Doutor em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Referências

ARAÚJO, Maria Paula. “Disputas em torno da memória de 68 e suas representações”. In: ARAÚJO, Maria Paula; e FICO, Carlos. 1968 – 40 anos depois: História e Memória. Rio de Janeiro: Editora 7 Le-tras, 2010.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. 3ª edição. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

BIANCHI, Álvaro. “Jean Pierre Vernant, um helenista nas barricadas”. Revista Cult, dossiê 1968 – Mui-to além de Maio, p. 40-43, edição 126, julho de 2008.

BOLTANSKI, Luc; e CHIAPELLO, Êve. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BRAGA, Ruy. “Os estudantes e a condição proletária”. Revista Cult, dossiê 1968 – Muito além de Maio, p. 54-57, edição 126, julho de 2008.

CARDOSO, Irene. “68: A comemoração impossível”. Tempo Social; Revista de Sociologia da USP, S. Paulo, vol. 10, n. 2, p. 1-12, outubro de 1998. Disponível em https://www.revistas.usp.br/ts/article/view/86767. Acesso em 25 de out. de 2017.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. “Maio de 68 não ocorreu”. Revista Trágica: estudos de filosofia da imanência. vol. 8, nº 1, p.119-121. 1º quadrimestre de 2015. Disponível em http://tragica.org/artigos/v8n1/traducao.pdf. Acesso em 27 de outubro de 2017.

DUARTE-PLON, Leneide. “Maio de 68 não foi só revolta estudantil”. Entrevista com Bertrand Ogilvie. Revista Trópico. Publicada em 15 de junho de 2008. Disponível em http://www.revistatropico.com.br/tropico/html/textos/2983,1.shl. Acesso em 28 de outubro de 2017.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: O breve século XX. 2ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

JUDT, Tony. “O espectro da revolução”. Revista Piauí. Edição 8, maio de 2007. Disponível em http://piaui.folha.uol.com.br/materia/o-espectro-da-revolucao. Acesso em 30 de out. de 2017.

MARREIRO, Flávia. “O apego ao movimento de 1968 é desmesurado e conservador”. Entrevista com João Moreira Salles. El País Brasil. Publicada em 3 de abril de 2017. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2017/03/31/cultura/1490994170_335565.html. Acesso em 25 de outubro de 2017.

MATOS, Olgária. “Tardes de maio”. Tempo Social; Revista de Sociologia da USP, S. Paulo, vol. 10, n. 2, p. 13-24, outubro de 1998. Disponível em https://www.revistas.usp.br/ts/article/view/ 86769. Acesso em 29 de out. de 2017.

“Para Daniel Cohn-Bendit, Maio de 68 foi conquista da liberdade”. Entrevista com Daniel Cohn-Bendit. Realizada pela France Presse e traduzida pela Folha Online. Publicada em 30 de abril de 2008. Disponí-vel em http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2008/04/396770-para-daniel-cohn-bendit-maio-de-68-foi-conquista-da-liberdade.shtml. Acesso em 26 de outubro de 2017.

PIACENTINI, Ébano. “Para filósofo, rebeliões estudantis dos anos 60 começaram em Berkeley. Entre-vista com John Searle”. Especial Maio de 68 da Folha Online. Texto publicado em 25 de maio de 2008. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2008/05/404879-para-filosofo-rebelioes-estudantis-dos-anos-60-comecaram-em-berkeley.shtml. Acesso em 4 de nov. de 2017.

PURDY, Sean. “1968: a rebelião estudantil nos Estados Unidos”. Revista Cult, dossiê 1968 – Muito além de Maio, p. 47-50, edição 126, julho de 2008.

RANCIÈRE, Jacques. “Vamos invadir!” Folha de São Paulo, Caderno Mais!, publicado em 4 de maio de 2008. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs0405200811.htm. Acesso em 30 de out. de 2017.

ROSS, Kristin. “Maio de 68 e suas vidas ulteriores”. Publicado em Le Monde Diplomatique, edição por-tuguesa, em 7 de maio de 2008. Disponível em http://pt.mondediplo.com/spip.php?article183. Acesso em 1 de nov. de 2017.

SILVA, Franklin Leopoldo e. “Memória e esperança”. Revista Cult, dossiê 1968 – Muito além de Maio, p. 61-65, edição 126, julho de 2008.

SILVA, Juremir Machado da. “Régis Debray: as tecnologias da crença”. Revista Famecos. Revista da PUC-RS, Porto Alegre, vol. 5, n. 9, p. 7-14, dezembro de 1998. Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/3003/2283. Acesso em 1 de nov. de 2017.

Publicado
2018-07-04
Como Citar
Rodrigues, L. (2018). Da utopia ao desencanto. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 45(50), 62-78. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2018.140967
Seção
Dossiê