Reflexões sobre a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro na virada dos anos 1960 aos 1970

Palavras-chave: cinemateca, ditadura, militância cultural

Resumo

A gestão de Cosme Alves Netto à frente da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-RJ) ficou celebrizada pela importante atuação cultural que a instituição exerceu na época. É possível afirmar que sua administração marca o começo de uma nova fase da Cinemateca desse museu. Este artigo visa tecer reflexões sobre as ações da Cinemateca do MAM-RJ durante a Ditadura Militar brasileira (1964-1985), em particular, na virada dos anos 1960/1970.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabián Núñez, Universidade Federal Fluminense

Professor associado do Departamento de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense (UFF) e leciona no Programa de Pós-Graduação em Cinema e Audiovisual (PPGCine) na mesma universidade. Membro da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (ABPA). Atua na organização do Cineclube Sala Escura, projeto de extensão vinculado ao Laboratório de Investigação Audiovisual (LIA). Pesquisador da Plataforma de Reflexão sobre o Audiovisual Latino-Americano (Prala) e do Laboratório Universitário de Preservação Audiovisual (Lupa).

Referências

CAMPOS, G. A. Além da crítica: os intelectuais do Grupo de Estudos Cinematográficos do Amazonas e suas relações com o poder (anos 1960). Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2015.

CINEMATECA DO MUSEU DE ARTE MODERNA. Programa 207. Extra. 06/12/1969.

___________. Programa 212. Extra. 11/12/1969.

CORREA JÚNIOR, F. D. O cinema como instituição: a Federação Internacional de Arquivos de Filmes (1948-1960). Tese (Doutorado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Assis, 2012.

_________. Sex, money, social climbing, fantastic!: a lógica cultural dos anos de chumbo do cone sul e a história das cinematecas (arquivos/museus de cinema). Cadernos CEDEM. Assis, vol. 2, n, 1, p. 27-47, 2011.

COSTA JÚNIOR, H. M. O onírico desacorrentado: o movimento cineclubista brasileiro (do engajamento estético à resistência política nos anos de chumbo – 1929-1988). Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

FÉDÉRATION INTERNATIONALE DES ARCHIVES DU FILM. XXVII Congress FIAF - Minutes. Wiesbaden, RFA, 1971.

GALVÃO, M. R. E. Projeto Centro(s) Regional(is) de Preservação do Acervo Cinematográfico Latino-Americano. Tese (Livre-docência) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

MACHADO, P. F. M. Imagens que restam: a tomada, a busca dos arquivos, o documentário e a elaboração de memórias da ditadura militar brasileira. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

NAPOLITANO, M. “Vencer Satã só com orações”: políticas culturais e cultura de oposição no Brasil dos anos 1970. In. ROLLEMBERG, D.; QUADRAT, S. V. (Org.), A construção social dos regimes autoritários: legitimidade, consenso e consentimento no século XX - volume II Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, p. 145-174.

NÚÑEZ, F. La acción de las cinematecas latinoamericanas en tiempos de dictadura: el caso de la Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Archivos de la Filmoteca. Valencia, v. 73, p. 43-56, out. 2017.

________. Notas para um estudo sobre a Unión de Cinematecas de América Latina. Significação: revista de cultura audiovisual. São Paulo, v. 42, n. 44, p. 63-81, 2015.

POUGY, A. A Cinemateca do MAM e os cineclubes do Rio de Janeiro: formação de uma cultura cinematográfica na cidade. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1996.

QUENTAL, J. L. A. A preservação cinematográfica no Brasil e a construção de uma cinemateca na Belacap: a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

ROCHA, G. Cartas ao mundo. Org. I. Bentes. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. p. 400-412.

SILVEIRA, G. La résistance dans l’obscurité: le public de la Cinémathèque Uruguayenne pendant la dictadure militaire (1973-1984). Tese (Doutorado) - Universidade Jean Moulin-Lyon 3, Lyon, 2014.

VILLAÇA, M. El cine y el avance autoritario en Uruguay: el “combativismo” de la Cinemateca del Tercer Mundo (1969-1973). Revista Contemporánea: historia y problemas del siglo XX. Montevidéu, ano 3, vol. 3, p. 243-264, 2012.

Publicado
2018-07-04
Como Citar
Núñez, F. (2018). Reflexões sobre a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro na virada dos anos 1960 aos 1970. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 45(50), 143-158. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2018.142098