O fundo do ar é vermelho: a subterrânea matéria sensível da história

  • André Brasil Universidade Federal de Minas Gerais
  • Julia Fagioli Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Chris Marker, O fundo do ar é vermelho, revolução, dialética, série

Resumo

Muito se pode dizer sobre O fundo do ar é vermelho, de Chris Marker, filme inesgotável, que se dedica a um impressionante acervo de imagens de nossa história recente. Acervo que somente em parte (sua ponta visível) veio à tona e cuja outra parte, submersa, interessa a Marker retomar. Em nossa hipótese, trata-se, por um lado, de prosseguir com a tradição dialética que produz choques, contradições entre imagens e testemunhos, levando-os sempre em direção a uma polifonia. Por outro lado, a montagem atravessa a dialética pela série paratática – inventário de rostos, gestos e “motivos” – que, em sua dimensão marcadamente patética, modula o filme por meio dos afetos da luta e do luto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais
Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde integra o corpo docente permanente do Programa de Pós-graduação. Participa do grupo de pesquisa Poéticas da Experiência, junto do qual desenvolve o projeto Formas de vida na imagem: biopolítica, perspectivismo e cinema (Fapemig e CNPq). André Brasil é um dos editores da revista Devires – Cinema e Humanidade.
Julia Fagioli, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atuou como professora substituta no curso de Comunicação Social da mesma instituição. Coordenou e organizou o Dossiê: Documentário e Cinema de Arquivos da revista Devires – Cinema e Humanidades. Realizou trabalho de curadoria da Mostra Contemporânea Brasileira do Fórum.doc em 2016.

Referências

BÉGHIN, Cyril. História(s) do cinema: invenção da animação. Devires, Belo Horizonte, vol. 4, nº 1, jan/jun 2007.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CASANOVA, Vincent. Écouter l’histoire ou la clé des luttes passées: Sur le générique du Fond de l’air est rouge, de Chris Marker (1977). Écrire l’histoire: Histoire, Littérature, Esthétique, p. 75-81, Dezembro de 2013. Disponível em: http://elh.revues.org/34/. Acesso em: 07 de maio de 2017.

MARKER, Chris. Le fond de l’air est rouge: textes et description d’un film de Chris Marker. Paris: François Maspero, 1978.

NORA, Pierre. L'événement monstre. Communications, 18, p. 162-172, 1972.

PREECE, Julia. Baader-Meinhof and the novel: Narrative of the Nation / Fantasies of the Revolution, 1970 – 2010. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

______. A ficção documentária: Marker e a ficção da memória. In: ______. A fábula cinematográfica. Campinas: Papirus, 2013.

SCEMAMA, Céline. 1988-1998. Histoire(s) du cinéma. In: ARAÚJO, Mateus; PUPPO, Eugênio (orgs.). Godard inteiro ou mesmo em pedaços. Catálogo da retrospectiva Jean-Luc Godard. São Paulo: Heco Produções, 2015.

Publicado
2018-07-04
Como Citar
Brasil, A., & Fagioli, J. (2018). O fundo do ar é vermelho: a subterrânea matéria sensível da história. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 45(50), 79-101. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2018.142108