Onde andará a bicha melancólica?

  • Ricardo Duarte Filho Universidade Federal do Rio de Janeiro; New York University
Palavras-chave: artifício, cinema brasileiro contemporâneo, cinema queer, melancolia

Resumo

O presente artigo pretende discutir como a presença de uma melancolia queer pode gerar novas possibilidades criadoras. Para tal, pretendo discorrer brevemente sobre as ideias de melancolia como falta e fantasmagoria e então as contrapor à ideia da melancolia como produção e estetização, especialmente como suscitadas pelo filme brasileiro Doce Amianto (2013), de Guto Parente e Uirá dos Reis. O artigo argumenta que a bicha melancólica, por recusar o seu presente através de sua estetização melancólica, possibilita a criação de novas formas de vida para o sujeito queer e como essa visão possibilitaria instigantes escolhas estéticas dentro do campo cinematográfico.

Palavras-chaves: artifício; cinema brasileiro contemporâneo; cinema queer; melancolia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Duarte Filho, Universidade Federal do Rio de Janeiro; New York University

Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutorando em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e em Spanish and Portuguese Languages and Cultures pela New York University. Pesquisa financiada com recursos do CNPq.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estâncias: a palavra e o fantasma na cultura ocidental. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

BARBOSA, André Antônio. Constelação da frivolidade no cinema brasileiro contemporâneo. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

BENJAMIN, Walter. The Archades Project. Harvard: Harvard University Press, 2002.

CAETANO, Daniel. Doce Amianto, um filme feérico. In. Filme Cultura 61, novembro-dezembro 2013, Janeiro de 2014

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix O anti-édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 2010.

DUGGAN, Lisa. The Twilight of Equality?: Neoliberalism, Cultural Politics, and the Attack on Democracy. 1st ed. Boston: Beacon Press, 2003.

FREEMAN, Elizabeth. Time Binds: Queer Temporalities, Queer Histories. Durham: Duke University Press, 2010.

FREUD, Sigmund. Mourning and Melancholia. IN: The Standard Edition of the complete works of Sigmund Freud. London, Hogarth Press: Institute of Psycho-analysis, 1953-1974. Vol. 14, pp. 243-258, 1955.

GALT, Rosalind. Pretty: Film and the decorative image. Nova York: Columbia University Press, 2011.

HALBERSTAM, Jack. The queer art of failure. Durham and London: Duke University Press, 2011.

HALPERIN, David M. How to be gay. Cambridge, MA: Belknap Press of Harvard University Press, 2012.

HOLLERAN, Andrew. Dancer from the dance. Nova York: HarperCollins, 2001.

LOPES, Denilson. O retorno do artifício no cinema brasileiro. In: SOBRINHO, Gilberto Alexandre (Org). Cinema em redes: tecnologia, estética e política na era digital. 2016.

______. Nós, os mortos: melancolia e neobarroco. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1999.

LOVE, Heather. Feeling Backward: Loss and the Politics of Queer History. Cambridge, Mass: Harvard University Press, 2007.

Publicado
2019-01-31
Como Citar
Duarte Filho, R. (2019). Onde andará a bicha melancólica?. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 46(51). https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2019.144666