Testemunha, vivência e as atuações do repórter na TV brasileira

  • Juliana Freire Gutmann Universidade Federal da Bahia
  • Valéria Maria Vilas Bôas Universidade Federal da Bahia
  • Itania Maria Mota Gomes Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: telejornalismo brasileiro, repórter testemunha, matrizes culturais, gênero televisivo, estrutura de sentimento

Resumo

O artigo investiga historicidades que constituem o testemunho jornalístico na televisão brasileira, considerando o corpo do repórter como dispositivo de autenticação dos relatos e de constituição de subjetividades. Argumentamos que a noção de testemunha ocular da história, que configura a identidade do repórter desde o Repórter Esso, é uma matriz cultural do telejornalismo brasileiro e evidenciamos reconfigurações dessa matriz, em programas contemporâneos – mais especificamente no Jornal Nacional, da Rede Globo, e no programa A Liga, da Rede Bandeirantes, – em torno do repórter que vivencia o acontecimento. Esse processo exibe uma contínua disputa por marcas e convenções que atravessam a história da TV no Brasil e constituem o telejornalismo enquanto uma forma cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Freire Gutmann, Universidade Federal da Bahia

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da UFBA, Brasil. Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pelo PósCom/UFBA, 2012.

Valéria Maria Vilas Bôas, Universidade Federal da Bahia

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da UFBA, Brasil. E-mail: lelavbs@gmail.com

Itania Maria Mota Gomes, Universidade Federal da Bahia

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Brasil. Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pelo PósCom/UFBA, 2000; Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPQ.

Referências

BLAAGAARD, B. B. “Shifting boundaries: objectivity, citizen journalism and tomorrow’s journalists”. Journalism, Newbury Park, v. 14, n. 8, p. 1076-1090, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2G8ci7L>. Acesso em: 29 mar. 2018.

DE LA PEÑA, N. et al. “Immersive journalism: immersive virtual reality for the firstperson experience of news”. Presence, Cambridge, v. 19, n. 4, p. 291-301, Aug. 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2G7bVKP>. Acesso em: 29 mar. 2018.

EVANGELISTA. A. F. “Corporalidade dos apresentadores Como sujeito da notícia na sociedade ‘dos meios’ e ‘em vias de midiatização’: cobertura dos movimentos sociais ‘direta já’ e ‘passe livre’ pelo Jornal Nacional”. 2015. 139 f. Dissertação (Mestrado em Jornalismo). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2QG4dLP>. Acesso em: 10 dez. 2018.

FECHINE, Y. “Performance dos apresentadores dos telejornais: a construção do éthos”. Revista Famecos: mídia, cultura e tecnologia, Porto Alegre, v. 15, n. 36, 2008. Disponível em < https://bit.ly/2Qncjts>. Acesso em: 29 mar. 2018.

GOMES, I. M. M. “Les quarante ans du Jornal Nacional, de la Rede Globo de télévision”. Le Temps des Médias, v. 13, p. 56-72, 2009. Disponível em: <http://bit.ly/2RtekUl>. Acesso em: 29 mar. 2018.

______. “Gênero televisivo como categoria cultural: um lugar no centro do mapa das mediações de Jesús Martín-Barbero”. Revista Famecos: mídia, cultura e tecnologia, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 111-130, 2011. Disponível em <https://bit.ly/2EkXvVP>. Acesso em: 29 mar. 2018.

______. “Qual é a relação entre história e história televisiva?”. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESTUDOS DE TELEVISÃO BRASIL-FRANÇA. Salvador: Universidade Federal da Bahia, jun. 2013.

______. et al. “Porque o jornalismo faz rir: matrizes midiáticas do programa Sensacionalista, do Multishow”. In: LISBOA FILHO, F.; BAPTISTA, M. M. (Orgs.). Estudos culturais e interfaces: objetos, metodologias e desenhos de investigação. Aveiro: Universidade de Aveiro; Santa Maria: UFSM, 2016. p. 219-236. Disponível em: http://bit.ly/2AqGSUY. Acesso em: 23 mar. 2018.

______.; SANTOS, T. E. F. dos; ARAÚJO, C. S. G.; MOTA JÚNIOR, E. A. “Temporalidades múltiplas: análise cultural dos videoclipes e da performance de Figueroas a partir dos mapas das mediações e das mutações culturais”, Revista Contracampo, Niterói, v. 36, n. 3, 2017. Disponível em: <http://bit.ly/2Vt2loZ>. Acesso em: 29 mar. 2018.

GUTMANN, J. F. Formas do telejornal: linguagem televisiva, jornalismo e mediações culturais. Salvador: Edufba, 2014.

JACOBSON, S. et al. “The digital animation of literary journalism”. In: Journalism, Newbury Park, v. 17, n. 4, p. 527-546, Feb. 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2rtNTiM>. Acesso em: 29 mar. 2018.

LAGE, L. R. “O testemunho na TV: ‘Profissão Repórter’ e a encenação da encenação”. Intercom – Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 139-158, 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2zQOaRq>. Acesso em: 29 mar. 2018.

LEAL, B. S. “Do testemunho à leitura: reflexões sobre o narrador jornalístico, hoje”. Biblioteca on-line de ciência da comunicação, Covilhã, p. 1-5, 2003. Disponível em: <https://bit.ly/2Em2LZb>. Acesso em: 29 mar. 2018.

MARTÍN-BARBERO, J. “América Latina e os anos recentes: o estudo da recepção em comunicação social”. In: SOUSA, M. W. (Org.). Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, 1995. p. 39-68.

______. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro:

Editora UFRJ, 2008.

______. “Jesús Martín-Barbero: as formas mestiças da mídia. Entrevista à revista Fapesp”. Revista Fapesp, São Paulo, n. 163, set. 2009a. Disponível em: <https://bit.ly/2qp8dAX>. Acesso em: 23 mar. 2018.

______. “Uma aventura epistemológica. Entrevista a Maria Immacolata Vassallo Lopes”, MATRIZes, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 143-162, 2009b. Disponível em: <https://bit.ly/2rsgTYa>. Acesso em: 29 mar. 2018.

MERTES, C. “Where journalism and television documentary meet. NiemanReports, Cambridge, v. 55, p. 53-54. Disponível em: <https://bit.ly/2PtZyHS>. Acesso em: 23 mar. 2018.

PINTO, J. “Logos sensorial: tempo e sensação na contemporaneidade”. Contemporânea –Revista de Comunicação e Cultura, Salvador, v. 8, n. 2, p. 1-11, 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2QLAGAm>. Acesso em: 29 mar. 2018.

RIBEIRO, A. P. G. “Jornalismo e história: ambiguidades e aparentes paradoxos” Revista Eco-Pós, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 5-10, 1999.

SCHUDSON, M. The power of news. 6. ed. Cambridge: Harvard University Press, 2003.

VAN DER HAAK, B.; PARKS, M.; CASTELLS, M. “The future of journalism: networked journalism”. International Journal of Communication, Los Angeles, v. 6, p. 2923-2938, 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2rrczsk>. Acesso em: 29 mar. 2018.

VILAS BÔAS, V. M. Contar não é o mesmo que viver: jornalismo e subjetividade na atuação do repórter na televisão brasileira. 343 f. 2018. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018. Orientadora: Itania Maria Mota Gomes.

WILLIAMS, R. Cultura. Trad. Lólio Lourenço de Oliveira. 3. ed. São Paulo: Paz e

Terra, 2008.

______. “Film and the Dramatic Tradition”. In: HIGGINS, J. (Ed.). The Raymond

Williams reader, Oxford: Blackwell, 2001. p. 25-41.

______. Marxismo e Literatura. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

Publicado
2019-01-31
Como Citar
Gutmann, J., Vilas Bôas, V., & Gomes, I. (2019). Testemunha, vivência e as atuações do repórter na TV brasileira. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 46(51). https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2019.145929
Seção
Dossiê