A singularidade de “Vereda tropical” sob um olhar bakhtiniano

  • Alexandre Silva Guerreiro Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: carnavalização, grotesco, Bakhtin, Vereda Tropical

Resumo

Este artigo busca compreender o alcance e interdependência dos conceitos de carnavalização e de grotesco, desenvolvidos por Mikhail Bakhtin, tendo como objeto de análise “Vereda tropical”, de Joaquim Pedro de Andrade, uma das obras mais ousadas do cinema brasileiro. Ao criar o conceito de cosmovisão carnavalesca, Bakhtin possibilitou um novo olhar sobre a obra de arte. Somada ao grotesco realista, a carnavalização possibilita novas chaves para o visionamento de um filme. No caso de “Vereda tropical”, a atualidade e vanguardismo atestam sua importância quando confrontados à cena contemporânea do cinema brasileiro, a partir do imbricamento dos conceitos backhtinianos aqui abordados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Silva Guerreiro, Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro

Doutor em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Comunicação pelo PPGCOM-UFF. Bacharel e licenciado em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Bacharel em Cinema pela UFF. Atualmente é Professor Docente I na Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro e desenvolve pesquisa de pósdoutorado sobre Educação, Cinema e Violência no PPGE/UFRJ.

Referências

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: HUCITEC, 1993.

_______________. Problemas da Poética de Dostoievski. Rio de Janeiro: Forense Universitária,1982.

BARROS, D.; FIORIN, J. (orgs.). Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade: em torno de Bakhtin. São Paulo: EDUSP, 2003.

BERNARDET, J.¬C. “O escândalo da melancia”. In: MANTEGA, G. Sexo e poder. São Paulo: Brasiliense, 1979.

BURKE, P. A Cultura Popular na Idade Moderna. São Paulo: Companhia das Letras , 1989.

CAKOFF, L. “Cannes – Joaquim causa furor com seu conto erótico”. Correio Braziliense, 22 maio 1979. Disponível em

CAÑIZAL, E. P. Breves anotações sobre a carnavalização e alguns de seus disfarces em dois filmes latino-americanos: Como água para chocolate e Carlota Joaquina. Significação. n. 24, São Paulo, 2005.

FASSONI, O.L. “A Censura proíbe A Melancia”. Folha de São Paulo, 31 jan 1979. Disponível em http://www.filmesdoserro.com.br/mat_vt_01.asp. Acesso em 22 maio 2018.

HUGO, V. Do Grotesco ao Sublime. Tradução do “Prefácio de Cromwell”. São Paulo: Editora Perspectiva, 1988.

KAYSER, W. O Grotesco. São Paulo: Editora Perspectiva, 1986.

KOTHE, F. Paródia e cia. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n.62, 1980.

MATTA, R. da. Carnavais, Malandros e Heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

_______________. Ensaios de Antropologia Estrutural. Petrópolis, Vozes, 1973.

PEREIRA, E. “Erotismo ao jeito brasileiro, agora sem censura”. Estado de São Paulo, 17 março 1980. Disponível em http://www.filmesdoserro.com.br/bio80_a.asp. Acesso em 22 maio 2018.

SANTANA, A. R. de. Paródia, Paráfrase e Cia. São Paulo: Ática, 2000.

SOARES, P.M. “Vereda Tropical”. Revista Status, Rio de Janeiro: Ed. Três, 1976.

SODRÉ, M.; PAIVA, R. O Império do Grotesco. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

SODRÉ, M. Comunicação do Grotesco. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1972.

STAM, R. Bakhtin: da teoria literária à cultura de massa. São Paulo: Ática, 1992.

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Guerreiro, A. (2019). A singularidade de “Vereda tropical” sob um olhar bakhtiniano. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 46(52). https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2019.146480