O vídeo independente brasileiro

crítica política na Olhar Eletrônico

  • Regilene Sarzi Ribeiro Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”
Palavras-chave: video independente, arte do vídeo, televisão no Brasil, Olhar Eletrônico, Ernesto Varela

Resumo

Trata-se de um estudo historiográfico sobre a videoarte no Brasil a partir de aspectos estéticos e conceituais do vídeo independente. O estudo buscou promover um diálogo com obras audiovisuais, integrantes de ações políticas, que marcaram a postura crítica e de engajamento na década de 1980 e sua inserção na televisão comercial visando à produção do conhecimento histórico a respeito do audiovisual em suas interfaces com outros campos das artes do vídeo. A produtora Olhar Eletrônico é objeto de estudo deste artigo. O corpus analisado é composto de um dos seus quadros experimentais: Ernesto Varela, produzido em 1984 e cujas ironia e empatia são traços de sua reflexão e crítica política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regilene Sarzi Ribeiro, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Possui pós-doutorado em Artes pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp-SP). Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Doutora Professora Assistente do Departamento de Artes e Representação Gráfica e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia (PPGMiT) da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Unesp-Bauru).

Referências

AGUIAR, C. A. de. Videoarte no Brasil dos anos 1970: a anti-televisão rumo a democracia das massas. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, 2007.

COSTA, C. T. da. Catálogo da Mostra. VÍDEO de artista & televisão: a televisão vista pelos artistas do vídeo. São Paulo: MAC-USP, 1986.

ERNESTO VARELA. In. Ernesto Varela Upload. s/d. Disponível em: <http://ernestovarela.com.br/> Acesso em: 08 ago. 2018.

FECHINE, Y. “O vídeo como um projeto utópico de televisão”. In. Made in Brasil: Três décadas de vídeo no Brasil. São Paulo: Iluminuras, 2007. p. 85-110

MELLO, C. Extremidades do vídeo. São Paulo: SENAC São Paulo, 2008.

TAS, M. “A minha história da Olhar Eletrônico”. In. Made in Brasil: Três décadas de vídeo no Brasil. São Paulo: Iluminuras, 2007. p. 209-218.

SARZI-RIBEIRO, R. A. “Entre TV e videoarte: a sátira e o experimentalismo na arte da segunda geração do vídeo brasileiro”. In: X WORLD CONGRESS ON COMMUNICATION AND ARTS. 2017. Salvador, Brazil. Anais eletrônicos... Salvador: WCCA, 2017. Disponível em: < www.copec.eu/wcca2017/proc/works/11.pdf> Acesso em: 08 ago. 2018.

VIDEOBRASIL. Olhar Eletrônico. In. Associação Cultural Videobrasil Online. s/d. Disponível em: <http://site.videobrasil.org.br/acervo/artistas/artista/67172> Acesso em: 08 ago. 2018.

ZANINI, W. “Primeiros tempos da arte/tecnologia no Brasil”. In. DOMINGUES, D. (org.) A arte no século XXI: a humanização das tecnologias. São Paulo: UNESP, 1997, p. 233-242.

Publicado
2019-07-01
Como Citar
Ribeiro, R. (2019). O vídeo independente brasileiro. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 46(52). https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2019.147428