Entre clarões e lampejos

imagens e imaginários dos povos no cinema

  • Hannah Serrat de Souza Santos Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: cinema, imagens, imaginários, povos, periferia

Resumo

este artigo investiga como o cinema acolhe politicamente os rostos, corpos e vozes daqueles que habitam as periferias urbanas no Brasil. Se “os povos estão expostos”, como nos diz Georges Didi-Huberman, buscamos compreender quais formas de exposição são produzidas e convocadas pelo cinema brasileiro em diferentes épocas e contextos. Para isso, analisamos algumas cenas de filmes realizados no Brasil entre os anos 1970 e 2010. Diante da chegada do cinema nas comunidades periféricas, refletimos sobre a constituição das imagens e dos imaginários dos povos quando estes passam a ser sujeitos de sua própria aparição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hannah Serrat de Souza Santos, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda e mestre em Comunicação Social pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Rádio/TV pela mesma instituição. Integrante do grupo de pesquisa “Poéticas da experiência”, com atuação nas áreas de comunicação, cinema, vídeo e fotografia.

Referências

ALVARENGA, Clarisse Maia Castro de. Vídeo e experimentação social: um estudo sobre o vídeo comunitário contemporâneo no Brasil. Dissertação de Mestrado. Instituto de Artes – UNICAMP, Campinas, 2004.

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

BRASIL, André. Quando o antecampo se avizinha: duas notas sobre o engajamento em “A cidade é uma só?”. Revista Negativo - Cineclube Beijoca, Brasília, UnB, v. 1, n. 1, 2015, p. 87 – 99. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/revnegativo/ article/view/15167/10853. Último acesso: 20 de junho de 2018.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Coisa Pública, Coisa dos povos, Coisa Plural. In: SILVA, Rodrigo; NAZARÉ, Leonor (org.). A república por vir. Arte, Política e Pensamento para o século XXI. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011a.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Trad. Vera Casa Nova e Márcia Arbex, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011b.

FAGUNDES, Daniel. 5x Mais do Mesmo. Revista do Vídeo Popular, São Paulo, Dezembro de 2010, p. 8 – 9. Disponível em: https://videopopular.files.wordpress.com/2011/02/revista_video_popular_12_2010_levefinal.pdf. Último acesso: 20 de junho de 2018.

GUIMARÃES, César. O que é uma comunidade de cinema? Revista Eco Pós, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 45 – 56, jun. 2015.

HIKIJI, Rose Satiko Gitirana. Os filmes da quebrada e o filme da antropóloga – Encontros. In: VICENTE, Wilq (Org.). Quebrada? Cinema, vídeo e lutas sociais. São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária – USP, 2014, p. 147 - 175.

LINS, Consuelo. “Santa Marta, Duas Semanas no Morro”: a favela, o vídeo e o cinema possível. In: __________. O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema, vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004, p. 58 – 74.

MESQUITA, Cláudia. Um drama documentário? – atualidade e história em “A cidade é uma só?”. Devires, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, jul-dez 2011, p. 48 – 69.

MIGLIORIN, Cezar. 5x Favela: Agora por Nós Mesmos, de Cacau Amaral, Cadu Barcellos, Luciana Bezerra, Luciano Vidigal, Manaíra Carneiro, Rodrigo Felha e Wagner Novais (Brasil, 2010). Revista Cinética, set. 2010. Disponível em: http://www.revistacinetica.com.br/5xfavelacezar.htm. Último acesso: 20 de junho de 2018.

PEREIRA, André Luiz Pereira; Daniel FAGUNDES; SOARES Diego F. F.; SOARES, Fernando Solidade. Para reiventar o vídeo e a periferia: vídeo popular, cinema de quebrada, vídeo comunitário, audiovisual periférico... Ser ou não ser?. In: LEONEL, Juliana; MENDONÇA, Ricardo Fabrino (Org.). Audiovisual comunitário e educação: histórias, processos e produtos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010, p. 330 – 339.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento – política e filosofia. São Paulo: Ed. 34, 1996.

SANTORO, Luiz Fernando. Vídeo e movimentos sociais – 25 anos depois. In: VICENTE, Wilq (Org.). Quebrada? Cinema, vídeo e lutas sociais. São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária – USP, 2014, p. 39 - 56.

TEIXEIRA, Luiz Elinaldo. Eu é outro: documentário e narrativa indireta livre. In: ___________ (Org.). Documentário no Brasil: tradição e transformação. São Paulo: Summus, 2004, p. 29 – 65.

ZANETTI, Daniela. O cinema da periferia: narrativas do cotidiano, visibilidade e reconhecimento social. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia - UFBA, Salvador, 2010.

Publicado
2019-01-31
Como Citar
Santos, H. S. de S. (2019). Entre clarões e lampejos. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 46(51). https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2019.147842